Spigreen
Notícias recentes
Tabagismo e coronavírus são combinação catastrófica, diz fundação

Tabagismo e coronavírus são combinação catastrófica, diz fundação

access_time19/05/2020 08:29

O diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni, disse que como o tabagismo é fator

Moro nega que projeto anticrime signifique licença para matar

Moro nega que projeto anticrime signifique licença para matar

access_time05/02/2019 07:29

A proposta do projeto de lei anticrime que o governo federal apresentará ao Congresso Nacional, em b

Comemoração do Dia das Mães no SCFV de União do Norte

Comemoração do Dia das Mães no SCFV de União do Norte

access_time08/05/2019 09:54

A Secretaria Municipal de Assistência Social de Peixoto de Azevedo realizou um evento especial para

ADI pede que licença maternidade só comece a contar após alta hospitalar

ADI pede que licença maternidade só comece a contar após alta hospitalar

access_time09/03/2020 07:59

O partido Solidariedade ajuizou nesta sexta-feira (6/3) uma ação direta de inconstitucionalidade para que a licença maternidade só comece após a alta hospitalar da mãe e do recém nascido.

Os alvos da ADI são os artigos 392, parágrafo 1º do Decreto-Lei 5.452/43 e o artigo 71 da Lei 8.213/91, com redação dada pela Lei 10.710/03

Os dispositivos impugnados determinam que o início da licença maternidade ocorra entre o 28º dia anterior ao parto e o nascimento. A ação pede que os artigos sejam interpretados conforme a Constituição Federal.

De acordo com a peça, "não são necessários muitos esforços para se chegar à conclusão de que o objetivo primordial do Constituinte originário, ao reportar-se por diversas vezes à indispensabilidade da proteção à maternidade e à infância, era garantir que essas etapas fosse plenamente vividas pela mãe e pelo novo integrante da família". 

Ainda segundo a ADI, "ocorre que após o parto — sobretudo no Brasil, que registra o nascimento de 279. 300 bebês prematuros por ano e 15 altos índices de complicações maternas e pós parto —, não são raros os casos que ensejam internação médico-hospitalar subsequente da mãe e/ou da criança, que, em hipóteses extremas, pode perdurar meses". 

Em tais circunstância, diz o Solidariedade, caso a licença comece antes da data do parto, ou a partir dele, fica evidente o prejuízo para o desenvolvimento do convívio afetivo entre mãe e criança para além do contexto hospitalar. 

A ADI foi ajuizada pelos advogados Rodrigo de Bittencourt Mudrovitsch e Guilherme Pupe da Nóbrega, ambos colaboradores da ConJurRita de Cássia Ancelmo Bueno e Victor Santos Rufino

Clique aqui para ler a ADI





Por: Revista Consultor Jurídico

Outras notícias

Comentários