Banner Outras
Notícias recentes
Proibidos de abastecer, navios do Irã estão parados perto de Paranaguá após sanção dos EUA

Proibidos de abastecer, navios do Irã estão parados perto de Paranaguá após sanção dos EUA

access_time19/07/2019 07:50

Dois navios do Irã que trouxeram ureia ao Brasil e pretendiam retornar ao Irã carregando milho brasi

Mato Grosso registra 13ª morte por Covid-19; paciente tinha 47 anos e era obeso

Mato Grosso registra 13ª morte por Covid-19; paciente tinha 47 anos e era obeso

access_time04/05/2020 10:45

Mato Grosso registrou a 13ª morte por coronavírus (Covid-19) no estado. O óbito ocorreu nesse doming

Ex-governador do Paraná Beto Richa é preso

Ex-governador do Paraná Beto Richa é preso

access_time11/09/2018 10:10

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná,

Advogado contratado por município tem direito a honorário de sucumbência

Advogado contratado por município tem direito a honorário de sucumbência

Entendimento é da 7ª turma do TRF da 1ª região

access_time09/03/2020 08:06

Os honorários de sucumbência pertencem ao advogado, tendo este direito autônomo para executar a sentença, conforme o Estatuto da OAB. Com este entendimento, a 7ª turma do TRF da 1ª região, em decisão unânime, reconheceu o direito de advogado contratado pelo município de Ipuiúna/MG para figurar no polo passivo da execução da sentença, cujo objeto é o recebimento dos honorários advocatícios.

Diante da não comprovação de que o município de Ipuiúna/MG editou lei destinando aos seus respectivos advogados a verba sucumbencial, o juízo de 1º grau decidiu pelo indeferimento da inicial da execução por entender não ser o advogado do referido ente público parte legítima para executar a sentença.

Ao analisar o recurso do causídico, a desembargadora federal Ângela Catão, relatora, destacou que é devido o pagamento dos honorários advocatícios ao defensor do referido município ainda que receba os honorários contratuais provenientes da entidade pública contratante.

“Os honorários de sucumbência pertencem ao advogado, tendo este direito autônomo para executar a sentença, conforme o Estatuto da OAB. Trata-se de uma dívida da parte vencida em face do advogado da parte vencedora. Além disso, é de caráter alimentar a natureza jurídica dos honorários advocatícios.”

Para a desembargadora, “no caso concreto, por se tratar de direito autônomo e ante a sua natureza alimentar, devido é o pagamento dos honorários sucumbenciais ao advogado do Município autor atuante na presente causa, o qual foi contratado especificamente para ajuizar a demanda principal”.

Com este entendimento, o colegiado deu provimento à apelação do advogado para, afastada a ilegitimidade ativa, anular a sentença e determinar o retorno dos autos ao Juízo de origem para o regular processamento do cumprimento de sentença.

  • Processo: 2006.38.10.002113-5

Veja o acórdão.





Por: Migalhas

Outras notícias

Comentários