Kurupí
Notícias recentes
Imposto de importação aumenta custos de produtos nacionais

Imposto de importação aumenta custos de produtos nacionais

access_time14/11/2018 10:14

Estudo inédito do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) contabiliza que a sociedade brasil

Mulheres são mortas com facadas na cabeça e enterradas no distrito União do Norte

Mulheres são mortas com facadas na cabeça e enterradas no distrito União do Norte

access_time17/01/2020 08:37

Homem de 31 anos está preso em Peixoto de Azevedo suspeito de matar a cunhada e uma amiga dela, na q

Juiz vê possível coação de ex-secretário de Segurança a delegado que conduzia investigação de grampos ilegais

Juiz vê possível coação de ex-secretário de Segurança a delegado que conduzia investigação de grampos ilegais

access_time20/08/2019 10:01

O processo que investiga a suposta coação feita pelo ex-secretário de Segurança Pública de Mato Gros

Aneel vota nesta terça proposta que reduz incentivo para quem quer gerar a própria energia
Painéis de energia solar sendo instalados — Foto: H-Energy/Divulgação

Aneel vota nesta terça proposta que reduz incentivo para quem quer gerar a própria energia

Mudanças devem entrar em vigor em 2020. Segundo relator, alterações poderão elevar de 4,5 para 7 anos o prazo para recuperação do investimento em painéis solares

access_time15/10/2019 15:44

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vota nesta terça-feira (15) proposta para alteração das regras da chamada geração distribuída, sistema pelo qual consumidores podem produzir sua própria energia, normalmente por meio do uso de painéis solares.

Como já era esperado, o texto vai prever medidas que acabam por reduzir incentivos para a adesão a esse sistema. O tema vem sendo tratado na agência desde o início deste ano.

A Aneel vem defendendo a mudança sob o argumento de que os custos dos incentivos para quem gera a própria energia acabam sendo pagos depois pelos demais consumidores.

O relator da proposta é o diretor da Aneel Rodrigo Limp. Segundo ele, se as alterações forem aprovadas, a expectativa é que o prazo médio para que um consumidor residencial recupere o investimento na instalação de seu gerador aumentará dos atuais 4,5 anos para cerca de 7 anos.

Depois de votada pela diretoria da agência, a proposta vai passar por consulta pública e pode sofrer alterações.

A agência espera que as mudanças comecem a valer em 2020. Entretanto, a nova regra proposta prevê gatilhos para a retirada dos incentivos. Isso quer dizer que o aumento do prazo para recuperação do investimento não será imediato.

Além disso, as mudanças vão atingir somente aqueles que aderirem à geração distribuída depois que as novas regras começarem a valer.

Entretanto, para os consumidores da chamada geração remota, ou seja, que geram a própria energia em um local distante do ponto em que consomem, a previsão é de que as mudanças serão mais rápidas e, a perda de atratividade do investimento, maior.

Como funciona incentivo
Quando um consumidor adere à geração distribuída, passa a produzir energia em casa ou no trabalho.

Essa energia pode ser consumida imediatamente ou então ser transmitida para a rede da distribuidora e compensada depois. Nesse caso, a rede da distribuidora acaba funcionando como uma bateria.

A regra atual prevê incentivos para quem participa desse sistema, entre os quais a isenção do pagamento de tarifas pelo uso do sistema elétrico. Porém, outros consumidores acabam bancando esses incentivos.

"Clientes que não possuem painéis solares ou outras formas de fazer geração distribuída em suas casas ou empresas pagam a conta por aqueles que fazem geração distribuída", informou, em nota, a Aneel.

De acordo com a agência, o objetivo da mudança proposta nesta terça é justamente evitar que o custo desses incentivos sejam repassados aos demais consumidores.

O reflexo disso é que a conta de luz de quem fizer parte da geração distribuída ficará mais cara e, consequentemente, o prazo para reaver o investimento na instalação, por exemplo, de painéis solares, vai ficar mais longo.





Por: Fábio Amato, G1 — Brasília

Outras notícias

Comentários