Banner Outras
Notícias recentes
Homem é assassinado a tiros em chácara de Peixoto de Azevedo; segundo crime na mesma noite

Homem é assassinado a tiros em chácara de Peixoto de Azevedo; segundo crime na mesma noite

access_time07/03/2020 10:30

Walison Henrique Santana da Silva, 24 anos, foi assassinado a tiros, ontem à noite, em uma chácara n

Justiça abre precedente para apreensão de CNH de devedores

Justiça abre precedente para apreensão de CNH de devedores

access_time08/06/2018 10:26

A decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) de suspender a CNH (Carteira Nacional de Habilitação

Matrículas web para novos alunos da rede estadual de ensino começam nesta 3ª em MT

Matrículas web para novos alunos da rede estadual de ensino começam nesta 3ª em MT

access_time03/03/2020 07:28

A segunda etapa de matrículas web nas unidades escolares da rede estadual de ensino para alunos novo

Primeiro-ministro do Japão admite pela 1ª vez remarcar Olimpíadas
O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe — Foto: Issei Kato/Reuters

Primeiro-ministro do Japão admite pela 1ª vez remarcar Olimpíadas

Shinzo Abe, chanceler japonês, fez a declaração a parlamentares do país depois que o Comitê Olímpico Internacional deu data-limite de quatro semanas para definir futuro do evento

access_time23/03/2020 07:12

Horas depois de o COI (Comitê Olímpico Internacional) considerar pela primeira vez o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que a remarcação do megaevento pode ser considerada se a pandemia causada pelo novo coronavírus tornar impossível realizá-lo "em sua forma completa".

- Se a decisão do COI significa que é impossível manter (as Olimpíadas) em uma forma completa, talvez seja necessário tomar uma decisão para adiá-las - declarou Shinzo Abe.

O chanceler japonês também afirmou que cancelar as Olimpíadas não é uma opção. As declarações de Abe foram dadas ao parlamento do país na noite deste domingo no horário de Brasília, já manhã de segunda no Japão.

Neste domingo, o COI (Comitê Olímpico Internacional) promoveu uma reunião de emergência de seu comitê executivo e descartou um cancelamento dos Jogos Olímpico de Tóquio. A entidade definiu uma data-limite de quatro semanas para apreciar um adiamento do megaevento esportivo, marcado inicialmente para ser realizado entre 24 de julho e 9 de agosto próximos.

Em nota, o COI afirmou que "um cancelamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio não resolveria qualquer problema nem ajudaria ninguém. Portanto, um cancelamento não está na agenda".

Também foi a primeira vez que o comitê olímpico aventa o adiamento das Olimpíadas de Tóquio. Existem cenários que trabalham com a remarcação do evento para o final deste ano ou para 2021 ou 2022.

Pressão pelo adiamento
Nos últimos dias, cresceu o movimento pelo adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A pressão vem de atletas, comitês olímpicos nacionais e federações esportivas mundo afora. Neste domingo, o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) declarou-se favorável a analisar um possível adiamento tanto dos Jogos Olímpicos quanto dos Jogos Paralímpicos, marcados para começar no dia 25 de agosto.

- Em relação aos Jogos, a saúde e o bem-estar de todas as pessoas presentes são a prioridade número um e tomar essa decisão é absolutamente a coisa certa a se fazer, considerando a situação sem precedentes que atualmente enfrentamos - disse o presidente do IPC, Andrew Parsons.

Quem também manifestou-se favorável ao adiamento foi o Comitê Olímpico do Brasil (COB), o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), as federações americanas de natação (USA Swimming) e atletismo (USA Athletics) e o Comitê Olímpico Espanhol.





Por: Globo Esporte

Outras notícias

Comentários