Spigreen
Notícias recentes
Sobe para 8 o número de casos suspeitos em MT; Cuiabá tem 2

Sobe para 8 o número de casos suspeitos em MT; Cuiabá tem 2

access_time03/03/2020 08:12

Subiu para oito o número de casos suspeitos de coronavírus registrados em Mato Grosso. Dois deles fo

MT tem 11 mortes confirmadas por H1N1 em 2018, aponta secretaria

MT tem 11 mortes confirmadas por H1N1 em 2018, aponta secretaria

access_time31/05/2018 07:50

Mato Grosso já registra 11 mortes confirmadas por gripe influenza apenas este ano, segundo boletim e

Vice-secretário norte-americano tem reuniões em Brasília

Vice-secretário norte-americano tem reuniões em Brasília

access_time22/05/2018 09:18

O vice-secretário de Estado norte-americano, John J. Sullivan, participa hoje (22) do lançamento do

Argentina impõe severa proibição de viagens até setembro
© Reuters/Matias Baglietto/Direitos Reservados

Argentina impõe severa proibição de viagens até setembro

Fronteiras do país estão fechadas desde março

access_time28/04/2020 10:28

A Argentina proibiu todas as vendas de passagens aéreas comerciais até setembro, numa das mais duras restrições de viagens no mundo em razão do coronavírus. O setor de aviação alertou que a medida pressionará companhias aéreas e aeroportos.

Enquanto as fronteiras do país estão fechadas desde março, o novo decreto vai além, proibindo até 1º de setembro a compra e venda de voos comerciais a partir, com destino, ou dentro da Argentina. O decreto, assinado nessa segunda-feira (27) pela Administração Nacional de Aviação Civil, diz que "foi entendido como razoável" implementar as restrições.

Muitos países da América do Sul, incluindo Equador, Peru e Colômbia, têm proibido todos os voos comerciais por enquanto, mas nenhum estendeu a restrição de forma tão longa quanto a Argentina. Estados Unidos, Brasil e Canadá impuseram restrições, mas não proibições.

"O problema era que as companhias aéreas estavam vendendo passagens sem terem autorização de viajar para solo argentino", disse um porta-voz do presidente Alberto Fernandez.

A proibição pressiona a Latam, que tem importante operação doméstica na Argentina e tem buscado ajuda de vários governos. A maior companhia local, a Aerolineas Argentinas, é estatal e pode sobreviver enquanto o governo estiver disposto a subsidiá-la.

A proibição também afetaria companhias menores e de baixo custo, que cresceram rapidamente no país com o apoio do ex-presidente Mauricio Macri, como a FlyBondi, no mercado interno, e SkyAirlines e JETSmart, que voam internacionalmente.

*Agência britânica de notícias





Por: Cassandra Garrison e Marcelo Rochabrun, da Reuters* - Buenos Aires

Outras notícias

Comentários