anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Jacinda Ardern deixa cargo de primeira-ministra do governo da Nova Zelândia

Jacinda Ardern deixa cargo de primeira-ministra do governo da Nova Zelândia

access_time25/01/2023 09:42

Jacinda Ardern deixou o cargo de primeira-ministra da Nova Zelândia nesta quarta-feira, 25 [noite de

Dois presos fogem de penitenciária durante trabalho em obra de ampliação da unidade

Dois presos fogem de penitenciária durante trabalho em obra de ampliação da unidade

access_time23/08/2023 08:05

Dois presos fugiram, na tarde desta terça-feira (22), da Penitenciária Oswaldo Florentino Ferreira,

Adolescente é detido em Peixoto após empinar moto na frente de viatura

Adolescente é detido em Peixoto após empinar moto na frente de viatura

access_time17/01/2023 10:17

A Polícia Militar apreendeu um adolescente, de 16 anos, por pilotar sem carteira de habilitação e re

Arthur Maia confirma que imagens do Ministério da Justiça não enviadas à CPMI do 8/1 foram apagadas
Maia alega que "todo mundo já sabe que tinham quatro batalhões da Força Nacional" no estacionamento
Foto por: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

Arthur Maia confirma que imagens do Ministério da Justiça não enviadas à CPMI do 8/1 foram apagadas

Justificativa é a de que o sistema de gravação dessas câmeras só preserva as imagens por 15 dias e depois elas são sobrepostas por novas gravações; CPMI poderia determinar perícia, mas não vai

access_time30/08/2023 14:35

As imagens da câmera voltada para o estacionamento do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, assim como de outras internas não enviadas à Comissão Parlamentar de Inquérito do 8 de janeiro, já não existem. A informação foi passada pelo ministro Flávio Dino ao presidente da CPMI, deputado Arthur Maia, segundo este. A justificativa é a de que o sistema de gravação dessas câmeras só preserva as imagens por 15 dias e depois elas são sobrepostas por novas gravações. Considerando que outras gravações foram preservadas, resta a dúvida: câmeras idênticas teriam sistemas diferentes de gravação? Para resolver o problema, a CPMI poderia apreender todo o equipamento e contratar uma perícia independente. Mas isso dificilmente acontecerá.

O exercício do poder de política conferido à comissão depende de agentes da Polícia Federal, mas o MJSP se recusou a cedê-los, em claro desrespeito ao Parlamento.

Em seu estilo conciliador, Maia tenta minimizar o problema, alegando que “todo mundo já sabe que tinham quatro batalhões da Força Nacional” no estacionamento, “e que esse efetivo não foi empregado na defesa da Esplanada”. Como mostrei ontem, o próprio diretor da FNSP confirmou a disponibilização do efetivo de 214 agentes, além de 24 veículos e dois drones. No relatório que enviou à CPMI, diz que só enviou dois batalhões (60 homens) para tentar retirar os vândalos e que o restante foi usado para impedir invasões ao edifício-sede do MJSP e seus anexos, mas não há imagens que comprovem qualquer tentativa de invasão do local — por isso as imagens seriam importantes.

Senadores e deputados querem convocar a depor o delegado Ivair Matos Santos, assim como o comandante do batalhão de pronto emprego da FNSP, coronel Sandro Augusto de Queiroz, mas os governistas resistem — assim como resistem à convocação dos detidos no 8 de janeiro. A relatora Eliziane Gama prefere criar cortinas de fumaça com uma suposta delação premiada para Walter Delgatti e Mauro Cid. Chega a arder os olhos! É um fim tão melancólico quanto o da CPI do MST, mas com requintes de covardia. O instituto da CPI está sendo definitivamente desmoralizado por nossos nobres parlamentares.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.





Por: Claudio Dantas / Jovem Pan

Outras notícias

Comentários