ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Casal morre em acidente entre carro e ônibus que levava 28 universitários

Casal morre em acidente entre carro e ônibus que levava 28 universitários

access_time08/08/2018 13:18

Um casal morreu em um acidente entre um carro e um ônibus que transportava 28 universitários na noit

‘Chapeiros’: Polícia prende quatro suspeitos pela morte de advogado

‘Chapeiros’: Polícia prende quatro suspeitos pela morte de advogado

access_time09/08/2022 15:07

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), prendeu quatro pess

Procuradora reafirma que João de Deus deve ser mantido preso

Procuradora reafirma que João de Deus deve ser mantido preso

access_time07/01/2019 07:37

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF), em

Assembleia-geral da ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos
Assembleia-Geral da ONU decide suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos
Foto por: TIMOTHY A. CLARY / AFP

Assembleia-geral da ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos

Dos 193 Estados-membros da assembleia, 93 votaram a favor da suspensão, enquanto 24 votaram contra e 58 se abstiveram

access_time07/04/2022 18:01

A Assembleia-Geral das Nações Unidas (AGNU) suspendeu a Rússia, nesta quinta-feira (7), do Conselho de Direitos Humanos da organização, em represália pela invasão da Ucrânia.

Dos 193 Estados-membros da assembleia, 93 votaram a favor da suspensão, enquanto 24 votaram contra e 58 se abstiveram, incluindo o Brasil. Isto pode sugerir um enfraquecimento da unidade internacional contra a Rússia.

Além dos Estados Unidos e da própria Ucrânia, os países da União Europeia, nações latino-americanas como Argentina, Chile, Colômbia, Peru e Uruguai, e outros Estados como Austrália, Canadá, Turquia e Noruega apoiaram a medida.

Entre os países que votaram contra estão a própria Rússia, China, Cuba, Irã, Nicarágua e Síria. Outros 58 estados decidiram se abster, incluindo Egito, El Salvador, Índia, México, Nigéria, Paquistão e Arábia Saudita.

O embaixador do Brasil na ONU, Ronaldo Costa Filho, disse: "O Brasil decidiu se abster na votação de hoje porque acredita que a comissão de inquérito deve ter permissão para concluir sua investigação independente para que as responsabilidades possam ser determinadas".

Costa Filho acrescentou que o Brasil, "profundamente preocupado" com supostas violações de direitos humanos na Ucrânia, está "totalmente comprometido em encontrar maneiras de cessar imediatamente as hostilidades e promover um diálogo real que leve a uma solução pacífica e sustentável".

Esta é a segunda vez que um país é suspenso do conselho. A Líbia foi o primeiro, em 2011.

O Kremlin lamentou a decisão e advertiu que Moscou pretende "continuar a defender seus interesses por todos os meios legais".

"Lamentamos isso e continuaremos a defender nossos interesses por todos os meios legais e a nos explicar", reagiu o porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitri Peskov, em entrevista ao canal britânico Sky News.

Já a Ucrânia expressou seu agradecimento pela suspensão da Rússia afirmando que não cabe a "criminosos de guerra" estarem representados nessa instância da ONU. 

"A Rússia não está apenas cometendo violações dos direitos humanos, está abalando as fundações da paz e segurança internacionais", disse o embaixador ucraniano na ONU, Sergiy Kyslytsya, antes da votação.

"Os criminosos de guerra não têm lugar nos organismos da ONU encarregados da proteção dos direitos humanos", declarou o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, no Twitter.

"Agradecemos a todos os Estados-membros que apoiaram a resolução [da AGNU] e ficaram do lado certo da história", completou.

Criado em 2006 para substituir a fracassada Comissão dos Direitos Humanos, o Conselho é o órgão máximo da ONU para os direitos humanos e é composto por 47 países, eleitos para mandatos de três anos.

A sua composição, que é decidida por eleições realizadas anualmente, tem sido regularmente criticada por incluir Estados com registros muito duvidosos em matéria de direitos humanos.





Por: Do R7, com informações da AFP e EFE

Outras notícias

Comentários