anuncie aqui
Notícias recentes
Deyverson e Felipão são suspensos pelo STJD e desfalcam Palmeiras em um jogo

Deyverson e Felipão são suspensos pelo STJD e desfalcam Palmeiras em um jogo

access_time12/11/2018 13:06

Em julgamento realizado nesta segunda-feira, com a presença de Deyverson e Luiz Felipe Scolari, o Su

Eike Batista: ‘Aguardem, eu vou voltar’

Eike Batista: ‘Aguardem, eu vou voltar’

access_time20/07/2018 16:27

Nenhum brasileiro experimentou com tanta intensidade as delícias do sucesso e os dissabores do fraca

Setor de abate de animais lidera ranking de acidentes de trabalho em MT, diz TRT

Setor de abate de animais lidera ranking de acidentes de trabalho em MT, diz TRT

access_time02/05/2018 19:20

Há seis anos, o setor de abate de animais é líder no ranking de acidente de trabalho em Mato Grosso,

Barco à deriva com 25 africanos é resgatado no litoral do Maranhão
Grupo de imigrantes africanos é resgatado no Maranhão após ficar dias à deriva no mar (Capitania dos Portos do Maranhão/Reprodução)

Barco à deriva com 25 africanos é resgatado no litoral do Maranhão

access_time21/05/2018 07:24

Um barco pesqueiro com 25 africanos e dois brasileiros que ficou à deriva em alto-mar foi resgatado na noite deste sábado, 19, na cidade de São José de Ribamar, na região metropolitana da capital São Luís, no Maranhão. A Polícia Federal investiga se o transporte do grupo está associado a alguma prática criminosa.

Segundo o governo do Maranhão, havia africanos de cinco nacionalidades: Senegal, Nigéria, Guiné, Serra Leoa e Cabo Verde. O grupo desembarcou no cais de São José de Ribamar, após operação conjunta com a Marinha e a PF. “As primeiras providências foram tomadas ainda no cais, onde foram realizados os primeiros atendimentos médicos e servidas refeições”, diz o governo do Maranhão, em nota. “A equipe multidisciplinar do Centro Estadual de Apoio às Vítimas (Ceav) também esteve prestando apoio psicológico.”

A PF também avalia a situação jurídica dos resgatados, afirma a nota. Após liberação médica, o grupo foi encaminhado para o Ginásio Costa Rodrigues, em São Luís. “Seguem assistidos pela Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), em caráter temporário, até que os procedimentos realizados pela Polícia Federal sejam finalizados”, diz o governo estadual.  A documentação dos resgatados e o pedido de refúgio serão analisados pelo Ministério da Justiça.

Os resgatados são homens com idades entre 19 e 35 anos em busca de trabalho e melhores condições de vida. Eles teriam ficado 35 dias à deriva no mar em uma embarcação precária. De acordo com o secretário de Direitos Humanos do Maranhão, Francisco Gonçalves, a maioria deles tinha quadro de desidratação e pressão alta.

“No governo do estado do Maranhão, a pedido do governo federal, nós estamos colaborando com as ações humanitárias, conforme prevê a legislação internacional, no que diz respeito à saúde, alimentação e abrigo, local para eles dormirem, até que a autoridade federal defina a situação deles no Brasil”, diz o secretário.

Transporte ilegal

Os dois brasileiros resgatados foram presos em flagrante pela Polícia Federal e serão processados por transporte internacional ilegal de pessoas. O delegado da PF Francisco Robério Chaves conta que o destino dos africanos era Natal (RN). De lá, eles seguiriam para o Rio de Janeiro e para São Paulo, em busca de emprego. “Eles vieram tentar a sorte, encontraram lá um intermediário e pagaram cerca de mil euros para fazer esse trajeto.”

A PF investiga se os brasileiros agiam como “coiotes”, intermediando a entrada ilegal de imigrantes no país em troca de dinheiro. Conforme nota da PF, o condutor do pesqueiro, Raimundo Lima Patrício, informou que os estoques de alimentos e água da embarcação à deriva também tinham acabado.

A embarcação teria passado mais de uma semana à deriva e foi avistada por um barco de pesca do Ceará. O pesqueiro rebocou o barco até o litoral do Maranhão e acionou a Capitania dos Portos. Em nota, a Marinha relatou que, na manhã de sábado, tomou conhecimento de que uma embarcação estrangeira, supostamente de bandeira haitiana, estaria à deriva a 60 milhas náuticas (cerca de 110 km) de São José do Ribamar. Um sobrevoo realizado pelo Comando Tático Aéreo da Polícia Militar, no entanto, não encontrou a embarcação.

No meio da tarde, foi acionado um reboque para sair em busca do barco e seus tripulantes. Por volta das 19h, a Capitania foi informada de que o pesqueiro Tampinha 1, com registro no Ceará, tinha auxiliado os imigrantes do catamarã Rossana com alimentos e água e estava rebocando o barco. A embarcação foi levada para o cais de São José do Ribamar.





Por: Veja.com

Outras notícias

Comentários