anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Alexandre de Moraes eo verdadeiro problema na viagem à Itália

Alexandre de Moraes eo verdadeiro problema na viagem à Itália

access_time19/07/2023 18:22

Houve um incidente no aeroporto de Roma e até agora não está claro o que realmente aconteceu. Pelo q

Parentes de

Parentes de "Miro Louco" são alvos de operação; Gaeco apreende dinheiro, joias, barras de ouro, carros e drogas

access_time20/02/2024 10:09

Familiares do vice-líder do Comando Vermelho em Mato Grosso, Miro Arcângelo Gonçalves de Jesus, conh

Joana Sanz decide reatar com Daniel Alves após acusação de estupro

Joana Sanz decide reatar com Daniel Alves após acusação de estupro

access_time02/10/2023 16:21

A modelo Joana Sanz decidiu interromper o processo de divórcio com o ex-lateral Daniel Alves, que es

Biden cancela agenda pública para acompanhar risco de escalada do conflito entre Israel e Hamas
Foto: Reprodução / CBS

Biden cancela agenda pública para acompanhar risco de escalada do conflito entre Israel e Hamas

Presidente dos Estados Unidos adiou viagem a serviço para participar de reuniões sobre questões de segurança nacional na Casa Branca; anúncio alimentou especulações sobre ida a Israel

access_time16/10/2023 15:37

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta segunda-feira, 16, que iria cancelar compromissos agendados para se concentrar na guerra entre Israel e o movimento islamita palestino Hamas e no risco de escalada deste conflito. Entre os eventos desmarcados, está uma viagem ao estado do Colorado. O anúncio alimentou especulações sobre uma viagem a Israel, onde o Biden foi convidado a visitar de forma oficial. “Houve um convite do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu”, disse à CNN um porta-voz da Casa Branca, John Kirby, nesta segunda-feira. No entanto, “não há nenhuma viagem sobre a qual eu possa falar neste momento”, acrescentou. O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, voltou a Israel nesta segunda-feira, 16, como parte da sua visita à região. Biden permanecerá em Washington para “participar de reuniões sobre questões de segurança nacional”, diz um comunicado do governo americano. Sua intenção é “permanecer focado no que está acontecendo entre Israel e o Hamas”, disse Kirby.

Biden, que rapidamente invocou o “dever” de Israel de se defender contra o Hamas após o ataque maciço de 7 de outubro, teme que o conflito se alastre devido à ofensiva em grande escala do Hezbollah no norte e ao aumento dos combates entre este movimento pró-Irã e o Exército israelense na fronteira com o Líbano.”A possibilidade é preocupante”, reconheceu Kirby, mas acrescentou: “Até esta manhã não vimos quaisquer sinais firmes de que o Hezbollah tenha decidido intervir e realmente abrir uma segunda frente” no conflito. O democrata de 80 anos, candidato a um segundo mandato, planejava viajar ao Colorado para visitar uma fábrica de torres eólicas e promover as suas políticas econômicas e sociais. De última hora, o governo anunciou que a viagem foi cancelada e adiada para uma data ainda indefinida.

Vários veículos da imprensa, incluindo Axios e CNN, afirmam que as autoridades israelenses e americanas discutem uma possível visita do presidente Biden, que prometeu apoio inabalável a Israel após o ataque do Hamas. Não seria a primeira viagem de Biden a um país em guerra. Em fevereiro, ele viajou para a Ucrânia em uma visita preparada em absoluto sigilo. Ele também visitou Israel em julho de 2022. As relações entre a Casa Branca e Israel se esfriaram com o retorno ao poder de Benjamin Netanyahu, à frente de um governo radical de direita, que Biden criticou abertamente. No entanto, presidente americano deixou completamente de lado as suas críticas, pelo menos em público, e defendeu Israel nesta guerra.Nos últimos dias, ele também insistiu na necessidade de responder à “crise humanitária” em Gaza.

Nesta segunda-feira, Israel anunciou que não haverá trégua para permitir a entrada de ajuda em Gaza, onde um milhão de palestinos desesperados se aglomeram na fronteira com o Egito, fugindo dos bombardeios do Exército israelense em retaliação à sangrenta ofensiva do Hamas. Mais de 1.400 pessoas, a maioria civis, morreram em Israel desde o ataque do Hamas, que também capturou 199 reféns, segundo as autoridades israelenses. A retaliação de Israel matou pelo menos 2.750 pessoas em Gaza, a maioria delas palestinos civis, incluindo centenas de crianças, segundo as autoridades locais. Além disso, Israel contabilizou 1.500 corpos de combatentes do Hamas em território israelense.





Por: Jovem Pan com informações da agência AFP

Outras notícias

Comentários