anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
PF e Ibama desativam garimpos ilegais em reservas indígenas de RO e MT

PF e Ibama desativam garimpos ilegais em reservas indígenas de RO e MT

access_time14/07/2018 11:55

A Polícia Federal (PF) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Governo de MT não faz parte da lista de estados que teriam aplicado recursos da Covid de forma irregular

Governo de MT não faz parte da lista de estados que teriam aplicado recursos da Covid de forma irregular

access_time26/05/2021 10:18

Governo de Mato Grosso não faz parte da lista de Estados em que, supostamente, haveria irregularidad

Roberto Firmino abre mão de folga e antecipa apresentação à Seleção

Roberto Firmino abre mão de folga e antecipa apresentação à Seleção

access_time29/05/2018 07:23

O atacante Roberto Firmino tinha folga até a hora do almoço de quarta-feira, mas preferiu antecipar

Bolsonaro nomeia braço direito de Ramagem na Abin para comandar PF
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto. REUTERS/Ueslei Marcelino

Bolsonaro nomeia braço direito de Ramagem na Abin para comandar PF

access_time04/05/2020 10:53

O presidente Jair Bolsonaro nomeou nesta segunda-feira o delegado Rolando Alexandre de Souza como novo diretor-geral da Polícia Federal, depois de ter tido a indicação de seu nome preferido, Alexandre Ramagem, bloqueada por liminar do Supremo Tribunal Federal (STF).

A nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União nesta segunda-feira para ocupar a vaga que originalmente seria de Ramagen, que é diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Souza era diretor de Planejamento da Abin, o número três da agência, mas um dos principais assessores de Ramagem. Ele foi levado para o cargo por Ramagem em setembro do ano passado.

Depois de ter tido sua nomeação barrada por liminar do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, Ramagem participou diretamente da indicação do novo diretor-geral.

A intenção de Bolsonaro, já declarada publicamente, era de indicar novamente Ramagem para o posto. No entanto, uma nova nomeação poderia ser vista como descumprimento de determinação legal — o que é crime de responsabilidade. Além disso, uma nova ação contra a indicação cairia novamente com Moraes, o que deveria levar a um mesmo resultado.

Bolsonaro ainda não desistiu de tentar levar Ramagem de volta para a PF. No entanto, o presidente não queria deixar a direção-geral do órgão por muito tempo nas mãos da equipe anterior, montada pelo ex-diretor Maurício Valeixo e o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro.

Com a derrubada da nomeação de Ramagem, estava à frente da PF Disney Rossetti, ex-número dois de Valeixo. Rossetti chegou a ser indicado para assumir a PF por Moro, quando ficou claro que Bolsonaro exigiria a troca do diretor-geral.

Segundo o próprio ex-ministro, ele chegou a indicar Rossetti para que não houvesse uma quebra de continuidade, apesar de afirmar que não conhecia bem o delegado. O presidente negou. A saída de Valeixo e a determinação de Bolsonaro de indicar um nome seu para a PF levaram à demissão do ex-ministro da Justiça, que acusou o presidente de interferência política.

Souza foi chefe do núcleo de operações da PF em Rondônia e corregedor do órgão no mesmo Estado, onde conheceu Ramagem, então superintendente da PF. Também foi chefe do Serviço de Repressão a Desvio de Recursos Públicos da PF, em Brasília, e superintendente em Alagoas, onde estava até setembro, quando foi chamado por Ramagem para a Abin.





Por: Reuters

Outras notícias

Comentários