anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
PT usa Zé Gotinha para pedir dinheiro e novos filiados

PT usa Zé Gotinha para pedir dinheiro e novos filiados

access_time09/05/2023 14:11

O PT usou o Zé Gotinha para pedir dinheiro à legenda, nesta terça-feira, 9. “Já perceberam que o Zé

Bando almejava roubar R$ 30 milhões em assalto na Brinks em Confresa

Bando almejava roubar R$ 30 milhões em assalto na Brinks em Confresa

access_time06/05/2023 10:14

O grupo de bandidos fortemente armado que invadiu Confresa no último dia 9 de abril, almejava levar

EUA divulgam vídeo de drone que colidiu com avião russo

EUA divulgam vídeo de drone que colidiu com avião russo

access_time16/03/2023 09:59

O Comando Europeu das Forças Armadas dos Estados Unidos divulgou as imagens captadas pelo drone MQ-9

Brasil deve atrasar ao menos 7 anos para universalizar o saneamento básico, diz especialista
Falta de saneamento básico no bairro Sítio São Francisco, em Guarulhos (SP)
Foto por: MÁRCIO FERNANDES DE OLIVEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

Brasil deve atrasar ao menos 7 anos para universalizar o saneamento básico, diz especialista

Edson Carlos diz que país precisa de aproximadamente R$ 800 bilhões para concluir serviços

access_time11/09/2023 06:48

A universalização do saneamento básico no Brasil, prevista para 2033, deve atrasar ao menos sete anos. O presidente do Instituto Aegea, Edson Carlos, destaca que o país é desigual. “A data mais provável, falando de país, é para 2040. Como especialista no setor de saneamento, acredito que em 2033 terá o serviço universalizado nas metas do marco legal, que são nas grandes cidades, onde as empresas operam efetivamente com capacidade econômica financeira. Mas o Brasil é muito grande, muito complexo. Quando falamos de área rural, Amazônia, de comunidades muito afastadas, 2033 é uma data muito próxima”, comentou. Para Edson Carlos, são necessários mais de R$ 800 bilhões para concluir os serviços no país. Em relação a privatização da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), o especialista não acredita no aumento de tarifa aos consumidores. “Essa equação entre investimento e capacidade de pagamento das pessoas é que vai determinar a tarifa. É uma conta técnica, que é feito por uma agência reguladora. A empresa de saneamento não tem poder nenhum sobre a tarifa”, comentou. O presidente do Instituto Aegea ainda avalia que o marco legal já resulta em crescimento para o setor. No entanto, Edson Carlos lamenta que a estrutura de saneamento básico no Brasil seja desigual e atrasada.





Por: Jovem Pan com informações do repórter Daniel Lian

Outras notícias

Comentários