ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
STF: Licença-maternidade passa a contar a partir da alta da mãe ou do bebê

STF: Licença-maternidade passa a contar a partir da alta da mãe ou do bebê

access_time06/04/2020 09:10

O plenário do STF confirmou, em sessão virtual, liminar deferida pelo ministro Edson Fachin e determ

Quase 9 mil servidores migram para previdência complementar

Quase 9 mil servidores migram para previdência complementar

access_time01/08/2018 08:21

Mais de 8,7 mil servidores migraram do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) para o Regime de

Cinco motoristas são presos por embriaguez ao volante em blitz da Lei Seca

Cinco motoristas são presos por embriaguez ao volante em blitz da Lei Seca

access_time17/05/2021 07:22

Cinco pessoas foram presas por embriaguez ao volante durante a 12ª edição da Operação Lei Seca, que

Câmara aprova projeto criado por senadores de MT para reduzir conta de luz
Projeto dos senadores de MT já foi aprovado pelo Senado Federal
Foto por: Rodolfo Stuckert/Câmara dos Deputados

Câmara aprova projeto criado por senadores de MT para reduzir conta de luz

Projeto seguirá para sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL). Expectativa é de haja redução de 15% na conta de luz.

access_time08/06/2022 09:37

A Câmara Federal aprovou nesta quarta-feira (7) o projeto de lei que prevê abater cerca de R$ 60 bilhões nas contas de energia elétrica dos consumidores de todo o país. O montante é referente aos impostos de PIS/Cofins e ICMS, que são pagos pelos usuários às concessionárias.

Na semana passada, o projeto já havia sido aprovado pelo Senado Federal, e agora segue para sanção do presidente da República Jair Bolsonaro (PL). Agora, a proposta especifica os procedimentos para a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aplicar a regra.

Conforme a proposta, apresentada pelos senadores por Mato Grosso Fábio Garcia (União Brasil) e Wellington Fagundes (PL), a Aneel deve fazer a destinação integral dos valores, após habilitação perante a Receita Federal.

Ainda de acordo com o texto aprovado, a agência deverá destinar integralmente os valores aos usuários e fazer uma revisão tarifária extraordinária para direcionar os créditos assim que a lei for sancionada. A medida tenta frear a alta no valor da energia elétrica.

Em abril chegou ao fim a bandeira tarifária da escassez hídrica, que cobrava uma taxa extra de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora (kWh).

A expectativa era que a conta de luz fosse reduzir, porém, a concessionária de energia elétrica de Mato Grosso, a Energisa, aplicou um reajuste médio de 22,55% autorizado pela Aneel, e as tarifas residenciais tiveram redução de 0,04% no estado. Ou seja, o consumidor final não sentiu quase nada no bolso.





Por: Por g1 MT e TV Centro América

Outras notícias

Comentários