anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Nova onda de calor chega ainda mais forte e Cuiabá deve marcar 47ºC na próxima semana

Nova onda de calor chega ainda mais forte e Cuiabá deve marcar 47ºC na próxima semana

access_time07/11/2023 20:10

O calor vai voltar com tudo na próxima semana e Cuiabá poderá registrar novos recordes de temperatur

PM por determinação do STF desmonta acampamento de manifestantes na 13ª Brigada do Exército em Cuiabá

PM por determinação do STF desmonta acampamento de manifestantes na 13ª Brigada do Exército em Cuiabá

access_time10/01/2023 10:09

O acampamento montado em frente à 13ª Brigada de Infantaria Motorizada, localizada na Avenida Histor

Entraves no ambiente de negócios geram custo adicional de R$ 1,7 trilhão para empresas brasileiras

Entraves no ambiente de negócios geram custo adicional de R$ 1,7 trilhão para empresas brasileiras

access_time25/06/2023 07:28

A soma de fatores que travam o crescimento da economia brasileira atingiu a marca de R$ 1,7 trilhão,

Câmara aprova urgência e abre caminho para projeto de censura no Brasil
192 deputados votaram contra o PL | Foto: Foto: Rute Moraes/Revista Oeste

Câmara aprova urgência e abre caminho para projeto de censura no Brasil

Foram 238 votos a favor

access_time26/04/2023 07:09

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira, 25, a urgência do Projeto de Lei (PL) da Censura. Por determinação do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), a votação não precisou de maioria absoluta, apenas simples — 192 deputados votaram contra o PL. Com isso, o PL não terá de passar por nenhuma comissão da Câmara e será votado diretamente no plenário.

A votação ocorreu durante uma sessão acalorada. Mais cedo, Lira realizou uma reunião na Residência Oficial (RO) da Casa com os líderes dos partidos. Eles firmaram um acordo para a aprovação da urgência do projeto.

No plenário, contudo, os parlamentares entraram em conflito acerca da votação. Lira e o governo disseram que o combinado era uma votação simbólica, pois todos haviam acordado a aprovação da urgência.

A oposição, no entanto, alegou que não combinou a aprovação da urgência do projeto com o governo. Alguns deputados, inclusive, disseram que o combinado seria a votação nominal. Além dos líderes partidários, estavam presentes no encontro os deputados do PL Eduardo Bolsonaro (SP), Carlos Jordy (PL), Gustavo Gayer (DF), Altineu Cortês (RJ) e Domingos Sávio (MG).

Lira chegou a debater com alguns parlamentares, defendendo o acordo que teria sido feito na RO. Então, para agilizar a aprovação, o deputado alagoano usou uma prerrogativa da presidência para orientar a votação de urgência nominal.

O deputado federal André Figueiredo (PDT-CE) disse que Lira perguntou por três vezes aos líderes se eles votariam a favor da urgência. No momento da votação, o PL indicou voto contra. Até a manhã de hoje, a votação da urgência estaria programada para ocorrer na quarta-feira 26. Mas foi adiantada depois do encontro com os líderes.

PL da Censura
Proposto pelo senador Alessandro Vieira (PSDB-SE), o PL da Censura foi aprovado pelo Senado em 2020. 

A versão mais recente do projeto prevê que os políticos não podem bloquear os seguidores em seus perfis nas redes sociais e que aplicativos de mensagens precisam limitar a distribuição em massa de conteúdos.

Além disso, estabelece uma multa entre R$ 50 mil e R$ 1 milhão, por hora, para empresas que não cumprem as decisões judiciais para a remoção imediata de um “conteúdo ilícito”. A divulgação de fake news também será punida com até três anos de prisão.

Deputados independentes e da oposição defendiam a criação de uma comissão especial para debater o projeto. Mas o governo enxerga isso como uma forma de adiar a votação da proposta.

Mais cedo, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, foi ao Congresso conversar com Lira e com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para dar algumas sugestões ao projeto.

Entre as propostas apresentadas pelo ministro estão a possibilidade de responsabilizar provedores de redes sociais por não retirarem imediatamente do ar “conteúdos ilícitos” e de punir contas que divulguem informações falsas sobre o processo eleitoral.

O texto também responsabiliza aqueles incitarem a violência contra a infraestrutura física do Estado para impedir “o exercício dos Poderes constitucionais” ou a “abolição violenta do Estado Democrático de Direito”. Ainda prevê a punição de quem proferir discursos de ódio ou promoção de racismo, homofobia e ideologias nazistas.





Por: Rute Moraes da Revista Oeste

Outras notícias

Comentários