Spigreen
Notícias recentes
Proposta para Previdência será apresentada com regime de capitalização, diz Guedes

Proposta para Previdência será apresentada com regime de capitalização, diz Guedes

access_time08/01/2019 19:53

O ministro da Economia, Paulo Guedes, informou nesta terça-feira (8) que o governo incluirá na propo

Juiz entende legítima defesa e arquiva inquérito de jovem que matou namorado após levar tapa no rosto

Juiz entende legítima defesa e arquiva inquérito de jovem que matou namorado após levar tapa no rosto

access_time11/09/2018 10:23

A Justiça arquivou o inquérito que apurava a morte de Isaque dos Santos Morais, em agosto de 2017, e

Corpo de mulher desaparecida desde sábado é encontrado e cunhado confessa assassinato em MT

Corpo de mulher desaparecida desde sábado é encontrado e cunhado confessa assassinato em MT

access_time01/07/2019 19:02

A polícia encontrou nesta segunda-feira (1º) o corpo de uma mulher que estava desaparecida desde sáb

Casos de feminicídio aumentam 279% em MT em três anos, aponta CNJ

Casos de feminicídio aumentam 279% em MT em três anos, aponta CNJ

Entre 2016 e 2019, 70 mil novos processos por violência doméstica começaram a tramitar na Justiça de Mato Grosso

access_time12/03/2020 09:55

O número de feminicídios em Mato Grosso aumentou 279% nos últimos três anos, de acordo com relatório divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Nesse mesmo período, entre 2016 e 2019, 70 mil novos processos por violência doméstica começaram a tramitar na Justiça de Mato Grosso.

Em 2019, foram 20 mil novos casos de violência doméstica, o que corresponde a 50% a mais que em 2016.

De acordo com a defensora pública e coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher em Cuiabá, Rosana Leite, o aumento dos casos de violência é resultado do maior número de denúncias.

"Acho que a violência sempre existiu, mas agora está aparecendo porque há confiança no trabalho da Justiça. As mulheres estão tendo mais coragem de denunciar, estão procurando mais e confiando mais nas autoridades'', avalia.

Já sobre o número de casos de feminicídios, a defensora acredita que já era alto, mas que não eram registrados da forma devida.

"A maior diferença é que antes os casos eram registrados como homicídios, e não eram caracterizadas nas situações às que pertenciam. Isso mudou e hoje é possível ver, de forma mais exata, o número de mulheres que são mortas somente por serem mulheres", diz.

Rosana defende que, na maioria dos casos de feminicídio, o homem não aceita a liberdade que a mulher tem atualmente.

"A mulher está cada vez mais independente e isso gera inconformismo no homem, porque a mulher independente não aceita abuso, não aceita violência. Em muitos casos, o homem não aceita essa independência e passa a agredi-la, até decidir tirar a vida dela", pondera.

De acordo com os dados do CNJ, 110 novos casos de feminicídio foram registrados e se tornaram processos judiciais só em 2019, um aumento de quase 300% em relação a 2016, quando foram registrados 29 casos.

A defensora pública afirma que o mais importante, nesses casos, é a mulher acreditar que as ameaças são reais, desde o início.

"Quando a mulher começa a passar pela violência, ela já tem que entender e acreditar que a violência e a ameaça são reais, e que o agressor pode tirar a vida dela. Elas precisam entender isso e denunciar, o mais rápido possível", alerta.

Ela também explica que, em muitos casos, as medidas protetivas podem ser eficazes.

"Mas o agressor conhece a rotina da mulher, então ela não pode pegar a medida protetiva e simplesmente achar que o problema acaba por ali. Ela deve estar alerta e, ao sinal de qualquer tentativa de aproximação do agressor, deve pedir ajuda às autoridades, para que seja feita a eficácia da medida protetiva", explica.

De acordo com os dados do CNJ, mais de 7 mil medidas protetivas foram concedidas a mulheres em situação de perigo, em 2019.





Por: Kethlyn Moraes, G1 MT

Outras notícias

Comentários