Banner Outras
Notícias recentes
Carteiras de trabalho poderão ser emitidas em agências dos Correios

Carteiras de trabalho poderão ser emitidas em agências dos Correios

access_time25/07/2018 07:36

O Ministério do Trabalho e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos vão firmar, nos próximos di

Jogo das Estrelas teve grande presença de público em Peixoto de Azevedo

Jogo das Estrelas teve grande presença de público em Peixoto de Azevedo

access_time17/12/2018 10:48

3.000 torcedores acompanharam grande festa do esporte que aconteceu na tarde de sábado (15) no Estád

Peixoto de Azevedo tem 06 casos confirmados de covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 09 casos

Peixoto de Azevedo tem 06 casos confirmados de covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 09 casos

access_time08/05/2020 19:16

A Secretaria Estadual de Saúde (Ses) registrou até esta sexta-feira (8), 464 casos confirmados da Co

Casos de feminicídio aumentam 279% em MT em três anos, aponta CNJ

Casos de feminicídio aumentam 279% em MT em três anos, aponta CNJ

Entre 2016 e 2019, 70 mil novos processos por violência doméstica começaram a tramitar na Justiça de Mato Grosso

access_time12/03/2020 09:55

O número de feminicídios em Mato Grosso aumentou 279% nos últimos três anos, de acordo com relatório divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Nesse mesmo período, entre 2016 e 2019, 70 mil novos processos por violência doméstica começaram a tramitar na Justiça de Mato Grosso.

Em 2019, foram 20 mil novos casos de violência doméstica, o que corresponde a 50% a mais que em 2016.

De acordo com a defensora pública e coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher em Cuiabá, Rosana Leite, o aumento dos casos de violência é resultado do maior número de denúncias.

"Acho que a violência sempre existiu, mas agora está aparecendo porque há confiança no trabalho da Justiça. As mulheres estão tendo mais coragem de denunciar, estão procurando mais e confiando mais nas autoridades'', avalia.

Já sobre o número de casos de feminicídios, a defensora acredita que já era alto, mas que não eram registrados da forma devida.

"A maior diferença é que antes os casos eram registrados como homicídios, e não eram caracterizadas nas situações às que pertenciam. Isso mudou e hoje é possível ver, de forma mais exata, o número de mulheres que são mortas somente por serem mulheres", diz.

Rosana defende que, na maioria dos casos de feminicídio, o homem não aceita a liberdade que a mulher tem atualmente.

"A mulher está cada vez mais independente e isso gera inconformismo no homem, porque a mulher independente não aceita abuso, não aceita violência. Em muitos casos, o homem não aceita essa independência e passa a agredi-la, até decidir tirar a vida dela", pondera.

De acordo com os dados do CNJ, 110 novos casos de feminicídio foram registrados e se tornaram processos judiciais só em 2019, um aumento de quase 300% em relação a 2016, quando foram registrados 29 casos.

A defensora pública afirma que o mais importante, nesses casos, é a mulher acreditar que as ameaças são reais, desde o início.

"Quando a mulher começa a passar pela violência, ela já tem que entender e acreditar que a violência e a ameaça são reais, e que o agressor pode tirar a vida dela. Elas precisam entender isso e denunciar, o mais rápido possível", alerta.

Ela também explica que, em muitos casos, as medidas protetivas podem ser eficazes.

"Mas o agressor conhece a rotina da mulher, então ela não pode pegar a medida protetiva e simplesmente achar que o problema acaba por ali. Ela deve estar alerta e, ao sinal de qualquer tentativa de aproximação do agressor, deve pedir ajuda às autoridades, para que seja feita a eficácia da medida protetiva", explica.

De acordo com os dados do CNJ, mais de 7 mil medidas protetivas foram concedidas a mulheres em situação de perigo, em 2019.





Por: Kethlyn Moraes, G1 MT

Outras notícias

Comentários