anuncie aqui
Notícias recentes
Governo projeta economia de R$ 1 trilhão com reforma da Previdência

Governo projeta economia de R$ 1 trilhão com reforma da Previdência

access_time06/02/2019 07:37

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (5), em Brasília, que a proposta de reforma da Prev

Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará

Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará

access_time19/01/2019 18:32

Subiu para 399 o número de pessoas presas ou apreendidas por suspeita de participação na onda de ata

Coreia do Norte testa nova arma de alta tecnologia, diz reportagem

Coreia do Norte testa nova arma de alta tecnologia, diz reportagem

access_time16/11/2018 09:11

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, supervisionou o teste de uma nova arma "de alta tecnologia", inf

Casos de zika caem quase 60% no Brasil em 2018
Mosquito Aedes Aegypti é alvo de campanha em todo país para combater dengue, chikungunya e zika (Foto: Paulo Whitaker/Reuters)

Casos de zika caem quase 60% no Brasil em 2018

Redução compreende dados deste ano até agosto em comparação com o mesmo período de 2017. Juntas, as doenças transmitidas pelo mosquito mataram 117 pessoas em 2018

access_time01/09/2018 07:57

O Brasil apresentou uma redução de 57% nos casos de zika, 60% nos de chikungunya e 5% nos de dengue até agosto deste ano em relação ao mesmo período de 2017. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (31) pelo Ministério da Saúde. Mesmo com uma queda no número de infecções, as três doenças somam 269 mil casos suspeitos e 117 mortes.

Zika, dengue e chikungunya são doenças causadas por vírus. Os micro-organismos de cada doença usam o mosquito Aedes aegypti como vetor. No caso da zika, a transmissão também ocorre de mãe para filho durante a gravidez, podendo causar problemas como a microcefalia. A dengue representa a maior parte dos casos atualmente no Brasil: 72% das suspeitas e 78% das mortes.

Nenhuma das três doenças tem uma vacina disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em julho de 2016, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a venda da primeira vacina contra a dengue, a Dengvaxia. No início deste ano, o próprio laboratório anunciou que o produto só deveria ser aplicado em quem já teve a doença para evitar riscos à saúde. A Organização Mundial da Saúde confirmou a recomendação.

Por isso, pelo menos por enquanto, existem saídas mecânicas de combate às doenças. Passar repelente, não deixar água parada, projetar versões transgênicas do mosquito.

A febre amarela também é considerada uma "doença do Aedes", mas apenas quando está em sua versão urbana – não registrada no país desde 1942. A doença apresentou um surto novamente no ano passado e início deste ano, mas do tipo silvestre, trasmistida pelos mosquitos Haemagogus ou Sabethes.

Recorte por estado
Ao olhar para cada uma das regiões do Brasil, e depois por estado, é possível ver uma mudança na região onde ocorre o ciclo de transmissão das doenças. No caso da dengue, o Centro-Oeste registra o maior número de casos neste ano, seguida pelo Sudeste. O estado mais afetado é Goiás, com 60.804 casos - 31% de todo o país.

Em 2017, o cenário era um pouco diferente: a maior parte dos casos foi registrada no Nordeste, número puxado pelo Ceará, com 37.661 infecções suspeitas, e pela Bahia, com 8.266. Ano passado, no entanto, já era possível prever que o Goiás estava com um foco de dengue e já apresentava 55.415 casos.

No caso da chikungunya, o ano de 2017 atingiu o Nordeste: foram 137.033 suspeitas da doença até agosto, contra 9.108 em 2018 - uma queda de 93%. Neste ano, o foco está no Sudeste, com 41.115 casos neste mesmo período (59% do total do país), sendo que dois terços (29.619) estão no Rio de Janeiro.

O zika foi a surpresa de 2015. Em abril daquele ano, pesquisadores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) detectaram pela primeira vez o vírus em amostras de sangue e, em setembro do mesmo ano, médicos de Pernambuco e da Paraíba começaram a notar casos de microcefalia. Em março de 2016, o vírus já estava em todo o país. O Brasil teve 214 mil infecções naquele ano, uma taxa de 104,8 casos por 100 mil habitantes.

Neste ano, a situação é bem diferente: 6.685 suspeitas, uma taxa de 3,2 por 100 mil habitantes. O Nordeste é a segunda região mais atingida. Em primeiro lugar está o Sudeste e, assim como no caso da chikungunya, o Rio de Janeiro é o estado mais afetado.





Por: G1

Outras notícias

Comentários