anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Mercado financeiro eleva expansão do PIB de 4,85% para 5%

Mercado financeiro eleva expansão do PIB de 4,85% para 5%

access_time21/06/2021 10:44

Com base em consultas a instituições financeiras, o Banco Central elevou de 4,85% para 5% a projeção

Casal é preso por vias de fato, embriaguez e posse ilegal de arma de fogo em Peixoto

Casal é preso por vias de fato, embriaguez e posse ilegal de arma de fogo em Peixoto

access_time06/09/2021 11:22

Nesta segunda-feira (06.09) policiais militares prenderam um homem e uma mulher por vias de fato, le

Motorista embriagado é preso com arma de fogo e munições em Peixoto

Motorista embriagado é preso com arma de fogo e munições em Peixoto

access_time14/09/2021 08:39

A ação foi, ontem à noite, e o suspeito conduzia uma GM Silverado preta, embriagado (teste de bafôme

CCJ da Câmara aprova redução da idade de aposentadoria de ministros do STF

CCJ da Câmara aprova redução da idade de aposentadoria de ministros do STF

access_time24/11/2021 07:41

Nesta terça-feira (23/11), a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara aprovou a admissibilidade da proposta de emenda à Constituição que diminui de 75 para 70 anos a idade de aposentadoria compulsória de ministros dos tribunais superiores e do Tribunal de Contas da União.

A CCJ considerou que a PEC cumpre os requisitos constitucionais e, portanto, pode ser debatida pela casa legislativa. O texto segue para avaliação por uma comissão especial.

O texto em discussão revoga a Emenda Constitucional 88/2015, que fixou a idade máxima em 75 anos. A proposta que deu origem à norma ficou conhecido como "PEC da Bengala" — um de seus efeitos foi impedir a então presidente Dilma Rousseff de nomear novos ministros do STF.

Caso aprovada e promulgada antes de 2023, a nova PEC autorizaria o presidente Jair Bolsonaro a fazer mais duas indicações de ministros para o Supremo. Isso porque Ricardo Lewandowski e Rosa Weber, ambos de 73 anos, teriam de se aposentar imediatamente.

A autoria do projeto é da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), atual presidente da CCJ e aliada de Bolsonaro. Ela disse que existe um compromisso para alterar a proposta na comissão especial e definir que os atuais ministros não sejam atingidos pelas mudanças. Mas o texto original prevê que as alterações já valem a partir da publicação da emenda à Constituição.

Quando apresentou a proposta, Kicis a justificou mencionando toda a estrutura do Judiciário, pois "a elevação de idade para aposentadoria compulsória, além de não proporcionar à Administração Pública qualquer benefício considerável, revelou-se extremamente prejudicial para a carreira da magistratura, que ficou ainda mais estagnada do que já era".





Por: Revista Consultor Jurídico

Outras notícias

Comentários