Camara Peixoto
Notícias recentes
Mesmo com pandemia, arrecadação de MT cresce 15% no 1º semestre

Mesmo com pandemia, arrecadação de MT cresce 15% no 1º semestre

access_time31/07/2020 11:55

Apesar das restrições comerciais impostas pela pandemia do novo coronavírus, Mato Grosso teve cresci

UFMT abre mais de 800 vagas para transferência de cursos

UFMT abre mais de 800 vagas para transferência de cursos

access_time18/05/2022 07:34

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) abriu um edital com 816 vagas para a transferência facu

Contratos de aluguel que vencem em maio terão alta de 14,7%

Contratos de aluguel que vencem em maio terão alta de 14,7%

access_time28/04/2022 09:25

Indicador responsável pelo reajuste da maioria dos contratos de aluguel vigentes no Brasil, o IGP-M

China e EUA voltarão a negociar disputa comercial no final de agosto
Bandeiras da China e dos Estados Unidos em imagem de arquivo de encontro diplomático de representantes dos países em abril (Foto: Jason Lee/Reuters)

China e EUA voltarão a negociar disputa comercial no final de agosto

Anúncio acontece no momento em que cresce a tensão entre os dois países

access_time16/08/2018 07:38

A China enviará um negociador aos Estados Unidos no final de agosto para retomar as conversações comerciais, anunciou nesta quinta-feira (16) o ministério chinês do Comércio, no momento em que cresce a tensão entre os dois países.

O vice-ministro do Comércio, Wang Shouwen, se encontrará com o subsecretário americano do Tesouro encarregado de Assuntos Internacionais, David Malpass, a convite dos Estados Unidos, informou o ministério em Pequim.

"A parte chinesa reafirma sua rejeição ao unilateralismo e às práticas de protecionismo comercial, e que não aceita qualquer medida unilateral de restrição comercial", explicou o ministério.

"A China saúda o diálogo e a comunicação sobre a base da reciprocidade, da igualdade e da integridade". As notícias da reunião deram impulso ao iuan e ajudaram a limitar as perdas nos mercados de ações da China.

O secretário americano do Comércio, Wilbur Ross, se reuniu em junho, em Pequim, com o vice-premier chinês, Liu He, para abordar questões comerciais, mas o encontro não contribuiu para reduzir as tensões e os Estados Unidos impuseram, no início de julho, tarifas punitivas sobre US$ 34 bilhões em bens importados da China, que retaliou.

As autoridades chinesas anunciaram em 6 de julho medidas de represália contra importações procedentes dos Estados Unidos totalizando 34 bilhões de dólares, envolvendo especialmente carne de porco e soja, e em 8 de agosto acrescentaram mais 16 bilhões (incluindo carvão, instrumentos médicos e resíduos).

A Casa Branca se dispõe a aplicar, na próxima semana, mais taxas aduaneiras, sobre US$ 16 bilhões em bens chineses.

"É difícil dizer que frutos darão estas discussões, mas é um sinal positivo o fato de que os países aceitem uma forma de compromisso", declarou à AFP Makoto Sengoku, analista do Tokai Tokyo Research Institute. "Não se reuniriam sem estar determinados a solucionar" o problema.

Os responsáveis chineses afirmam que as tarifas ainda não tiveram impacto sobre a economia, já que suas exportações cresceram mais que o previsto, mas analistas consideram que o efeito desta guerra comercial ficará evidente em agosto.

O presidente americano, Donald Trump, afirmou que guerras comerciais são "fáceis de ganhar" e ameaçou adotar tarifas a quase todas as importações chinesas, o que totalizaria US$ 500 bilhões, caso Pequim não adote medidas para reduzir o déficit comercial dos Estados Unidos com a China, que foi de US$ 375 bilhões em 2017, de acordo com Washington.





Por: France Presse

Outras notícias

Comentários