anuncie aqui
Notícias recentes
Primeira rodada da Taça Saudoso Edinho tem homenagem e jogos de muito equilíbrio

Primeira rodada da Taça Saudoso Edinho tem homenagem e jogos de muito equilíbrio

access_time15/10/2018 15:12

Antes da rodada aconteceu homenagem a família do saudoso Edinho, esteve presente, esposa, filha, irm

Mais de 40 profissionais da educação de Peixoto participaram da Formação Sistema POSITIVO Aprende Brasil

Mais de 40 profissionais da educação de Peixoto participaram da Formação Sistema POSITIVO Aprende Brasil

access_time30/08/2018 09:13

A Formação sobre informática na educação e uso da Plataforma Positivo On aconteceu na última semana

Guedes deve se reunir com Maia e Alcolumbre para tratar de Previdência

Guedes deve se reunir com Maia e Alcolumbre para tratar de Previdência

access_time05/02/2019 07:28

Com a determinação de encaminhar este mês a proposta de reforma da Previdência, o ministro da Econom

CNJ deve discutir nesta terça proposta que regulamenta auxílio-moradia

CNJ deve discutir nesta terça proposta que regulamenta auxílio-moradia

Auxílio foi suspenso pelo ministro Luiz Fux, após Temer sancionar reajuste para o Judiciário. Fux deixou em aberto a possibilidade de haver regulamentação para casos específicos

access_time18/12/2018 08:26

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deve discutir nesta terça-feira (18) a proposta de regulamentação do auxílio-moradia. O valor do benefício pode chegar a até R$ 4.377,73.

No último dia 26 de novembro, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu o auxílio-moradia após o presidente Michel Temer sancionar o reajuste de 16,38% nos salários do ministros do STF. Com isso, o salário dos magistrados passou de R$ 33 mil para R$ 39 mil.

Antes da suspensão, o auxílio de até R$ 4,3 mil era pago aos integrantes do Judiciário, inclusive àqueles com residência na cidade em que atuavam.

Fux, porém, deixou em aberto a possibilidade de haver regulamentação do auxílio para casos específicos. Agora, caso o CNJ decida pela regulamentação do benefício, haverá uma série de requisitos para que o valor seja pago aos integrantes do Judiciário.

O que o CNJ vai analisar
Conforme a minuta de resolução que será analisada pelo CNJ, o juiz terá direito ao benefício quando:

  • não houver imóvel funcional à disposição;
  • se o cônjugue não receber auxílio nem ocupar móvel funcional;
  • ele ou o cônjuge não tenham imóvel na comarca onde atua;
  • estiver em cidade diferente da comarca original.

O texto prevê que o benefício será temporário e será revogado se o magistrado recusar imóvel funcional ou passar a conviver com "outra pessoa que ocupe imóvel funcional ou receba ajuda de custo para moradia".

O valor de R$ 4,3 mil, prevê o texto, será pago como indenização ao aluguel ou hospedagem, sendo vedado uso para pagamento de condomínio ou impostos, por exemplo.

A proposta estipula que o valor máximo de benefício será revisado anualmente pelo CNJ e que os valores para custear o auxílio devem estar previstos no orçamento de cada órgão do Judiciário.

Depois de o CNJ aprovar novas regras, a expectativa é que o Conselho Nacional do Ministério Público também regulamente o benefício para promotores e procuradores.





Por: Mariana Oliveira, TV Globo

Outras notícias

Comentários