ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Congresso aprova emenda que proíbe recursos para cirurgia de redesignação sexual e aborto

Congresso aprova emenda que proíbe recursos para cirurgia de redesignação sexual e aborto

access_time19/12/2023 18:07

O Congresso Nacional aprovou nesta terça-feira (19) a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024,

Acusado por abusar da própria filha no Paraná é preso no Nortão

Acusado por abusar da própria filha no Paraná é preso no Nortão

access_time19/01/2024 13:38

Policiais civis de Guarantã do Norte cumpriram mandado de prisão contra o suspeito, de 34 anos, inve

Morre ex-deputado Pedro Satélite aos 68 anos, vítima de câncer no pâncreas

Morre ex-deputado Pedro Satélite aos 68 anos, vítima de câncer no pâncreas

access_time05/01/2024 12:10

O ex-deputado estadual Pedro Satélite (PSD), 68 anos, morreu na madrugada de sexta-feira (5), em dec

Comandante da Marinha dá detalhes sobre a relação de Lula com as Forças Armadas
Presidente Lula, na chegada para o almoço com o comando da Marinha | Foto: Ricardo Stuckert/PR

Comandante da Marinha dá detalhes sobre a relação de Lula com as Forças Armadas

Almirante também comentou o poder moderador

access_time06/05/2023 11:44

Em entrevista publicada pelo jornal O Globo, na sexta-feira 5, o comandante da Marinha, almirante Marcos Sampaio Olsen, disse o que pensa sobre o poder moderador e deu detalhes da relação entre o presidente Lula e as Forças Armadas.

“Olhar o artigo 142 da Constituição e enxergar que as Forças Armadas poderiam ser um poder moderador é equivocado”, disse. “As Forças Armadas não estão ali para discernir o que possa vir a ser um contencioso entre dois Poderes. O papel de interpretar a Constituição não é das Forças. É do Supremo Tribunal Federal.”

Sobre a relação de Lula com as Forças Armadas, depois do 8 de janeiro, Olsen disse que nunca viu a desconfiança do presidente “ir além das palavras na relação com a Força”. “Acho absolutamente justificável, em função de tudo que ocorreu, que o presidente tenha as suas ressalvas em relação aos militares num contexto político ideológico”, disse. “Na medida que houve de fato o ocorrido, é natural que o presidente se sinta constrangido. Mas, desde a primeira conversa que eu tive com ele, sempre se mostrou preocupado em assegurar os investimentos para a Força.”

Além de comentar o poder moderador e a relação de Lula com as Forças Armadas, Olsen criticou a presença de militares da ativa, durante o governo Bolsonaro. O militar acha “equivocado manter-se no exercício desses cargos públicos como oficial da ativa”. Segundo ele, caso um militar migre para exercer um cargo público, deve requerer transferência para a reserva. Do contrário, não assume.





Por: Redação Oeste

Outras notícias

Comentários