anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Ex-secretário de Saúde de Cuiabá é alvo da PF na quarta fase da Operação Curare

Ex-secretário de Saúde de Cuiabá é alvo da PF na quarta fase da Operação Curare

access_time20/04/2023 10:21

O ex-secretário municipal de saúde, Milton Corrêa da Costa Neto, foi um dos alvos da 4ª fase da Oper

STJ decide a favor do governo em ação que pode render R$ 90 bi

STJ decide a favor do governo em ação que pode render R$ 90 bi

access_time27/04/2023 07:31

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por unanimidade, que empresas não podem continuar abat

PGR pede arquivamento de denúncia contra Arthur Lira

PGR pede arquivamento de denúncia contra Arthur Lira

access_time05/04/2023 05:46

A Procuradoria-Geral da República (PGR) defendeu, nesta terça-feira, 4, a posição de que o Supremo T

Confederação orienta seus funcionários a evitarem ‘palavras ofensivas’, como ‘mãe’, ‘pai’ e ‘pessoas’
Manual de boas maneiras tem 92 páginas e está em vigor | Foto: Reprodução/Shutterstock

Confederação orienta seus funcionários a evitarem ‘palavras ofensivas’, como ‘mãe’, ‘pai’ e ‘pessoas’

Manual censura ainda termos considerados 'sexistas' e 'racistas'

access_time22/03/2023 11:05

Oxfam, confederação internacional de enfrentamento da pobreza composta de 19 organizações e mais de 3 mil parceiros, lançou um “manual de linguagem inclusiva”. Divulgado nesta semana, o documento lista uma série de “palavras ofensivas” que devem ser evitadas pelos funcionários.

O texto censura “pai” e “mãe”, por exemplo. Isso porque pessoas trans não binárias que adotam filhos podem se sentir discriminadas. Além disso, o guia veta o uso dos termos “LGBT” e “LGBTQIX” sem o símbolo de adição (+), sob o risco de membros da comunidade se sentirem excluídos. Também as orientações de gênero “homossexualidade”, “gay” e “lésbica” têm de cair em desuso, visto que já estão “obsoletas”. O correto é sempre LGBT+.

Contra o sexismo, o manual defende ainda a abolição da expressão “higiene feminina”. A justificativa: o termo sugere que a menstruação é suja. Ainda segundo o manual, dizer “pessoas” é machista porque tem a ver “com homens”.

Também a cartilha pede o fim do uso de termos “colonialistas” que supostamente reforçam preconceitos contra “povos originários”. As palavras proibidas são “sede” (o local onde fica uma instituição) e “viagem de campo”.

“Este guia apoia as pessoas que precisam trabalhar e se comunicar na língua inglesa como parte do legado colonial”, diz o manual. “Reconhecemos que o domínio do inglês é uma das questões-chave que devem ser abordadas para descolonizar nossas formas de trabalhar e transferir o poder.”

Adiante, a Oxfam afirma que reconhece a “supremacia anglo-saxônica do setor como parte de sua colonialidade”, e que pretende desconstruir essa imagem.

Os funcionários da Oxfam são instruídos a falar “apoiam”, porque há deficientes físicos que não conseguem ficar em pé.





Por: Cristyan Costa da Revista Oeste

Outras notícias

Comentários