Spigreen
Notícias recentes
MP abre inquérito para investigar gastos com combustíveis na Assembleia

MP abre inquérito para investigar gastos com combustíveis na Assembleia

access_time21/05/2020 11:14

Ministério Público de Mato Grosso abriu inquérito civil para investigar gastos de combustíveis na As

Chanceler diz que Irã ultrapassou limite de armazenamento de urânio

Chanceler diz que Irã ultrapassou limite de armazenamento de urânio

access_time02/07/2019 12:07

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse que a quantidade de urânio en

Universitária tem casa invadida e é torturada por criminosos em MT

Universitária tem casa invadida e é torturada por criminosos em MT

access_time30/03/2019 07:59

Uma universitário, cuja identidade não foi divulgada, teve a casa invadida, na noite de quinta-feira

Cooperativa de agricultores de MT beneficia castanha-do-brasil extraída por índios do PA

Cooperativa de agricultores de MT beneficia castanha-do-brasil extraída por índios do PA

Entre outros produtos são fabricados amêndoa, farinha, barra de cereais e óleo do fruto da castanheira

access_time21/11/2018 10:57

Uma cooperativa de agricultores de Juruena, a 893 km de Cuiabá, está beneficiando anualmente cerca de 22 toneladas de castanha-do-brasil extraídas por indígenas do Pará.

Os índios fazem parte da Associação Floresta Protegida (AFP), que fica em Tucumã (PA) e representa cerca de 3 mil indígenas de 22 comunidades, segundo a Associação de Desenvolvimento Rural de Juruena (Aderjur), do projeto Poço de Carbono Juruena.

Com a castanha extraída pelas comunidades Mẽbêngôkre/ Kayapó e indígenas da região Noroeste de Mato Grosso, a Cooperativa de Agricultores do Vale do Amanhecer (Coopavam) fabrica vários produtos, como a amêndoa, farinha, barra de cereais e óleo do fruto da castanheira.

O projeto foi desenvolvido pela Aderjur, com o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental.

O principal objetivo é agregar valor a castanha produzida pelas comunidades no sul do Pará, que ultrapassa a 200 toneladas por safra.

Como a coleta de castanha geralmente é uma atividade que envolve toda a família, vários conhecimentos sobre a floresta, fauna, cosmologia entre outros são repassados nesta atividade.

O beneficiamento de castanha-do-Brasil poderá fortalecer ainda mais o extrativismo desta amêndoa como fonte de renda.

A produção é comercializada no mercado nacional, graças a quantidade produzida e técnicas de boas práticas.


A Coopavam foi criada em 2008 e atua, além de Juruena, nos municípios de Juína, Castanheira, Cotriguaçu, Colniza, Aripuanã, Juara e Brasnorte, também no Noroeste do estado.

Já a Associação Floresta Protegida foi criada em 2002, com os objetivos de fortalecer as comunidades Mẽbêngôkre / Kayapó para a proteção dos territórios e recursos naturais e apoio ao desenvolvimento de alternativas sustentáveis de geração de renda e valorizar o patrimônio cultural desta etnia.

A castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa) pertence à familia Lecythidaceae e é nativa da Floresta Amazônica. A espécie pode ser encontrada em Rondônia, Acre, Amazonas, Pará e no norte dos estados de Goiás e Mato Grosso. Fora do País, nas Guianas, Venezuela, leste da Colômbia, Peru e Bolívia.

A castanha-do-brasil também é conhecida como castanha-do-pará, castanheira, castanha-verdadeira e amendoeira-da-américa. A árvore atinge de 30 a 50 metros de altura. O diâmetro médio do tronco retilíneo gira entre 100 e 180 centímetros. As folhas são simples e sem pelos.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários