Banner Outras
Notícias recentes
Oitavas de final começam com três campeões do mundo em campo

Oitavas de final começam com três campeões do mundo em campo

access_time30/06/2018 08:43

A fase de grupos terminou. Após um dia sem futebol, as oitavas de final da Copa do Mundo começam hoj

Quatro policiais militares ficam feridos após caminhonete da Sema capotar em MT

Quatro policiais militares ficam feridos após caminhonete da Sema capotar em MT

access_time22/08/2019 16:02

Quatro soldados da Polícia Militar, dois do 3º Batalhão de Cuiabá e dois da Força Tática de Várzea G

Adolescentes são mortos no Curuçambá e número de assassinados sobe para 39 na Grande Belém

Adolescentes são mortos no Curuçambá e número de assassinados sobe para 39 na Grande Belém

access_time02/05/2018 19:00

Cinco pessoas foram baleadas no bairro do Curuçambá, na tarde desta quarta-feira (2), em Ananindeua.

Coreia do Norte executa responsável por reunião com EUA sobre programa nuclear, diz jornal
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-um, participam de reunião em Hanói, no Vietnã, na quinta-feira (28) — Foto: Reuters/Leah Millis

Coreia do Norte executa responsável por reunião com EUA sobre programa nuclear, diz jornal

Segundo publicação sul-coreana, Kim Hyok-chol foi morto devido a fracasso de encontro entre Kim Jong-un e Trump. Governo norte-americano diz tentar checar informações sobre morte

access_time31/05/2019 09:27

O jornal sul-coreano “Chosun” informou nesta sexta-feira (31) que o regime da Coreia do Norte executou o diplomata norte-coreano encarregado das negociações para a segunda cúpula do país asiático com os Estados Unidos e ex-embaixador na Espanha, Kim Hyok-chol.

A execução ocorreu, segundo o jornal, após Kim Hyok-chol ser responsabilizado pelo fracasso da reunião de fevereiro entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente norte-americano, Donald Trump, em Hanói, no Vietnã. O encontro serviu para discutir o programa nuclear da península coreana, mas terminou antes do previsto e sem um acordo.

A reportagem informa que Kim Hyok-chol foi baleado, em março, um mês após a cúpula, no Aeroporto de Mirim, controlado pela Força Aérea da Coreia do Norte. Ele teria sido atingido junto com mais quatro norte-coreanos de altos cargos no regime acusados de espionagem para os Estados Unidos.

Os meios oficiais do regime de Pyongyang não fizeram qualquer alusão recente a Kim Hyok-chol ou a Kim Yong-chol. No entanto, o jornal "Rodong Sinmun", publicação oficial do Partido dos Trabalhadores do regime, publicou um artigo em que mencionava "traidores que não poderão evitar o severo julgamento da revolução".

Sem citar nomes, o jornal informou que certas pessoas "agiam de uma forma e reverenciavam o Líder na sua presença e sonhavam com outra coisa pelas costas".

O escritório da presidência sul-coreana não quis comentar o caso. Em entrevista coletiva, o porta-voz do governo da Coreia do Sul, Ko Min-jung, disse que "seria inadequado tirar conclusões precipitadas sobre informações que ainda estão por serem confirmadas".

EUA diz checar informações
O secretário de estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que os Estados Unidos estão tentando confirmar as informações sobre a suposta execução. “Nós vimos o relatório sobre o qual você se refere”, respondeu a pergunta feita em entrevista coletiva em Berlim, nesta sexta-feira.

“Estamos fazendo o nosso melhor para checar. Eu não tenho nada mais a acrescentar sobre isso hoje”, completou Pompeo.

Responsável por reunião com EUA liderou delegação na Espanha
Kim Hyok-chol liderou a primeira delegação da Coreia do Norte em Madri, na Espanha, entre janeiro de 2014 até 2017, quando o governo espanhol o expulsou em resposta aos testes nucleares e de mísseis de Pyongyang. O ex-enviado especial do regime não apareceu em outros atos oficiais desde a reunião de Hanói, segundo a agência EFE.

De acordo com as fontes do jornal sul-coreano, Kim Jong-un também puniu outros funcionários do regime envolvidos nas negociações com os EUA. O líder norte-coreano teria, inclusive, afastado a irmã dele, Kim Yo-jong, das funções que ela exerce no regime. A mulher foi estreita colaboradora dos encontros com Trump e com outros líderes estrangeiros.





Por:

Outras notícias

Comentários