anuncie aqui
Notícias recentes
Primo do governador de MT, deputado e mais 3 são presos

Primo do governador de MT, deputado e mais 3 são presos

access_time09/05/2018 09:37

O deputado estadual Mauro Savi (PSB) e o ex-chefe da Casa Civil, Paulo César Zamar Taques, que é pri

Inep divulga notas do Enem na sexta-feira

Inep divulga notas do Enem na sexta-feira

access_time16/01/2019 07:25

Nesta sexta-feira (18), mais de 4,1 milhões de estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Méd

Ricardo Rocha realizou palestra na Escola Dom Helder

Ricardo Rocha realizou palestra na Escola Dom Helder

access_time17/12/2018 10:40

A Escola Municipal Dom Helder foi a escolhida para receber um evento com o jogador da Seleção Brasil

Decisão da OMS sobre identidade trans deve reforçar políticas públicas

Decisão da OMS sobre identidade trans deve reforçar políticas públicas

Nova Classificação Internacional de Doenças quebrou paradigma antigo

access_time20/06/2018 08:18

“É apenas o início de tudo”. Assim Keila Simpson, presidenta da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), refere-se à decisão da Organização Mundial de Saúde (OMS) de retirar as identidades trans da lista de transtornos mentais. Keila é uma das muitas pessoas que, por terem assumido uma identidade de gênero diferente daquela atribuída no nascimento, têm suas vidas e seus próprios corpos como expressões de resistência. Por isso, sabe que a decisão da OMS não leva à superação imediata de violências e preconceitos. Mesmo assim, acredita que a decisão quebra paradigmas e pode abrir espaço para mais transformações que vão dar força para as políticas para diversidade.

A alteração foi confirmada ontem (18), com a publicação da 11ª versão da Classificação Internacional de Doenças (CID), um sistema criado para relacionar, sob um mesmo padrão, as principais enfermidades, problemas de saúde pública e transtornos que causam morte ou incapacitação de pessoas. Antes, a CID-10, formulada há 28 anos, incluía as questões de identidades de gênero no rol dos “transtornos mentais, comportamentais ou do neurodesenvolvimento”. A nova versão será apresentada aos Estados-Membros das Nações Unidas na Assembleia Mundial da Saúde, em maio de 2019, e entrará em vigor no dia 1o de janeiro de 2022.

Coordenadora-geral de Promoção dos Direitos LGBT do Ministério dos Direitos Humanos, Marina Reidel comemora a decisão. “O fato de retirar a temática das doenças mentais já é um avanço, porque nós nunca nos reconhecemos como pessoas com doenças mentais. Era mais um problema a mais para a gente”, afirma. Agora, “nós temos que continuar avançando nesse sentido”, defende. Esses avanços, acredita, poderão ser expressos em mais políticas públicas que promovam o respeito à diversidade e que garantam direitos para a população trans.

No Brasil, já há reconhecimento formal da identidade trans. O Ministério da Educação, por exemplo, autoriza o uso do nome social de travestis e transexuais nos registros escolares da educação básica. Já o Ministério da Saúde tem, desde 2011, a Política Nacional de Saúde Integral LGBT, que reconhece particularidades de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Não obstante, ainda é preciso avançar, reconhece Marina. Como exemplo disso, cita que apenas cinco hospitais em todo o Brasil são autorizados a fazer cirurgias de redesignação sexual. Os hospitais são vinculados a universidades e ficam nos estados do Rio de Janeiro, de São Paulo, Pernambuco, Goiás e do Rio Grande do Sul.

“A gente tem feito várias políticas para pensar a população LGBT como um todo. E temos uma preocupação com a temática trans, por ser uma população mais vulnerabilizada. A violência é muito forte contra a população trans, e temos feito várias ações nesse sentido”, afirma Marina, que cita como exemplo o recente anúncio do Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência LGBTfóbica. Como a implementação do programa depende da adesão dos estados, Marina entende que o interesse dos Entes Federativos poderá ganhar força com a mudança promovida pela OMS. “Isso vai pressionar os estados brasileiros a repensar algumas políticas”, reitera.

Incongruência de gênero
Segundo a nova classificação (CID-11), as identidades trans deixam de ser consideradas “transtorno de gênero” e passam a ser diagnosticadas como incongruência de gênero, uma condição relativa à saúde sexual, que também passou a ganhar um capítulo próprio na classificação. Nela, a incongruência de gênero é apresentada como uma situação “caracterizada por uma incongruência acentuada e persistente entre o sexo experienciado de um indivíduo e o sexo atribuído”. Ainda de acordo com o texto, “comportamento variante de gênero e preferências, por si, só não são uma base para atribuir os diagnósticos neste grupo”.

A utilização do termo e a manutenção da questão de gênero na CID, ainda que não como doença, gera discussões. “Obviamente, nós queremos a despatologização por completo, mas a retirada dessas classificações como travestismo e transexualismo, para nós, já é bastante importante. A recondução desses termos e a retirada do número da CID que patologizava e colocava essas identidades como transtornos mentais é um avanço importantíssimo para continuarmos no debate sobre a despatologização”, afirma Keila Simpson.

De acordo com a OMS, a manutenção do termo “incongruência de gênero” busca garantir que a população trans tenha sua condição reconhecida pelos médicos e hospitais, no momento em que procurem atendimento nos diferentes sistemas de saúde. “A lógica é que, enquanto as evidências são claras de que não é um transtorno mental, e de fato pode causar enorme estigma para as pessoas que são transexuais, ainda existem necessidades significativas de cuidados de saúde que podem ser melhores se a condição for codificada sob o CID”, conforme o texto de divulgação das mudanças.





Por: Agência Brasil

Outras notícias

Comentários