anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Mais de 400 kg de pescado irregular são apreendidos em rio em Itiquira

Mais de 400 kg de pescado irregular são apreendidos em rio em Itiquira

access_time07/01/2019 08:27

A Polícia Ambiental apreendeu 455 quilos de pescado irregular no município de Itiquira, a 359 km de

Profissionais do sexo recorrem à web com queda de até 80% na clientela por quarentena

Profissionais do sexo recorrem à web com queda de até 80% na clientela por quarentena

access_time04/04/2020 08:07

Profissionais do sexo estão recorrendo à internet para "compensar" a queda no movimento durante a qu

Conheça os programas que utilizam as notas do Enem

Conheça os programas que utilizam as notas do Enem

access_time21/01/2021 08:59

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderá ser usado para acessar o ensino superior por meio de

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura
Delegado Edison Ricardo Pick — Foto: Facebook/Reprodução

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura

Delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. Os três são alvos do Gaeco nesta terça-feira

access_time16/10/2018 08:47

Um delegado e dois investigadores tiveram a prisão decretada suspeitos de cometerem o crime de tortura em Colniza, cidade a 1.065 km de Cuiabá. Os três são alvos de uma ação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), nesta terça-feira (16).

O delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. O nome dos investigadores não foram divulgados.

De acordo com o Gaeco, as prisões preventivas foram decretadas pelo juiz da comarca, a pedido do MPE. O Gaeco não divulgou detalhes da investigação. Apenas informou que os três são investigados por tortura.

Os cumprimentos dos mandados de prisão contam com o apoio e acompanhamento da Corregedoria Geral de Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.

Em nota, a Corregedoria Geral da Polícia Civil informou que prestou apoio ao Gaeco.

“A Corregedoria da PJC não teve acesso prévio ao teor da denúncia da promotoria, no entanto, deu início às diligências para apurar os fatos no âmbito administrativo disciplinar”, declarou a assessoria da Polícia Civil.




Por: Denise Soares, G1 MT

Outras notícias

Comentários