anuncie aqui
Notícias recentes
Dólar fecha perto de R$ 3,55, no maior valor em quase 2 anos

Dólar fecha perto de R$ 3,55, no maior valor em quase 2 anos

access_time02/05/2018 16:58

O dólar fechou em forte em alta ante o real nesta quarta-feira (2), renovando a máxima em quase dois

Governo da Tailândia quer controlar gravações de filmes sobre os meninos resgatados em caverna

Governo da Tailândia quer controlar gravações de filmes sobre os meninos resgatados em caverna

access_time20/07/2018 16:34

Tailândia quer controlar como os filmes vão retratar os 12 meninos e o técnico do "Javalis Selvagens

A pedido do MEC, governo adia horário de verão para 18 de novembro

A pedido do MEC, governo adia horário de verão para 18 de novembro

access_time04/10/2018 07:58

O horário de verão começará no dia 18 de novembro — depois da realização das provas do Enem (Exame N

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura
Delegado Edison Ricardo Pick — Foto: Facebook/Reprodução

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura

Delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. Os três são alvos do Gaeco nesta terça-feira

access_time16/10/2018 08:47

Um delegado e dois investigadores tiveram a prisão decretada suspeitos de cometerem o crime de tortura em Colniza, cidade a 1.065 km de Cuiabá. Os três são alvos de uma ação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), nesta terça-feira (16).

O delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. O nome dos investigadores não foram divulgados.

De acordo com o Gaeco, as prisões preventivas foram decretadas pelo juiz da comarca, a pedido do MPE. O Gaeco não divulgou detalhes da investigação. Apenas informou que os três são investigados por tortura.

Os cumprimentos dos mandados de prisão contam com o apoio e acompanhamento da Corregedoria Geral de Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.

Em nota, a Corregedoria Geral da Polícia Civil informou que prestou apoio ao Gaeco.

“A Corregedoria da PJC não teve acesso prévio ao teor da denúncia da promotoria, no entanto, deu início às diligências para apurar os fatos no âmbito administrativo disciplinar”, declarou a assessoria da Polícia Civil.




Por: Denise Soares, G1 MT

Outras notícias

Comentários