anuncie aqui
Notícias recentes
Foguete russo falha durante voo para o espaço; tripulação pousa em segurança

Foguete russo falha durante voo para o espaço; tripulação pousa em segurança

access_time11/10/2018 08:57

Um foguete propulsor carregando uma nave espacial Soyuz que levava um russo e um norte-americano par

TST decide contra a Petrobras em causa trabalhista bilionária

TST decide contra a Petrobras em causa trabalhista bilionária

access_time21/06/2018 19:38

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu nesta quinta-feira (21) que a Petrobras não pode inclu

Surto de sarampo no Amazonas e em Roraima já registra 500 casos

Surto de sarampo no Amazonas e em Roraima já registra 500 casos

access_time03/07/2018 07:31

Um surto de sarampo atinge os estados do Amazonas e de Roraima. Até o último balanço, divulgado hoje

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura
Delegado Edison Ricardo Pick — Foto: Facebook/Reprodução

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura

Delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. Os três são alvos do Gaeco nesta terça-feira

access_time16/10/2018 08:47

Um delegado e dois investigadores tiveram a prisão decretada suspeitos de cometerem o crime de tortura em Colniza, cidade a 1.065 km de Cuiabá. Os três são alvos de uma ação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), nesta terça-feira (16).

O delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. O nome dos investigadores não foram divulgados.

De acordo com o Gaeco, as prisões preventivas foram decretadas pelo juiz da comarca, a pedido do MPE. O Gaeco não divulgou detalhes da investigação. Apenas informou que os três são investigados por tortura.

Os cumprimentos dos mandados de prisão contam com o apoio e acompanhamento da Corregedoria Geral de Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.

Em nota, a Corregedoria Geral da Polícia Civil informou que prestou apoio ao Gaeco.

“A Corregedoria da PJC não teve acesso prévio ao teor da denúncia da promotoria, no entanto, deu início às diligências para apurar os fatos no âmbito administrativo disciplinar”, declarou a assessoria da Polícia Civil.




Por: Denise Soares, G1 MT

Outras notícias

Comentários