Kurupí
Notícias recentes
Cantor suspeito de esfaquear cliente confessa crime e diz que vítima 'paquerou' a mulher dele

Cantor suspeito de esfaquear cliente confessa crime e diz que vítima 'paquerou' a mulher dele

access_time27/09/2018 07:40

O cantor sertanejo Léo Henrique, de 27 anos, suspeito de ter esfaqueado um homem na cabeça após um s

Bolsonaro escolhe deputada Joice Hasselmann como líder do governo no Congresso

Bolsonaro escolhe deputada Joice Hasselmann como líder do governo no Congresso

access_time27/02/2019 09:24

O presidente Jair Bolsonaro escolheu a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) como líder do gove

‘Tsunami Bukele’ se torna o presidente mais jovem de El Salvador

‘Tsunami Bukele’ se torna o presidente mais jovem de El Salvador

access_time05/02/2019 07:31

Um publicitário de 37 anos e ex-prefeito de San Salvador, Nayib Bukele, será o novo presidente de El

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura
Delegado Edison Ricardo Pick — Foto: Facebook/Reprodução

Delegado e 2 investigadores têm prisão decretada suspeitos de crime de tortura

Delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. Os três são alvos do Gaeco nesta terça-feira

access_time16/10/2018 08:47

Um delegado e dois investigadores tiveram a prisão decretada suspeitos de cometerem o crime de tortura em Colniza, cidade a 1.065 km de Cuiabá. Os três são alvos de uma ação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), nesta terça-feira (16).

O delegado investigado é Edison Ricardo Pick, delegado da Polícia Civil em Colniza. O nome dos investigadores não foram divulgados.

De acordo com o Gaeco, as prisões preventivas foram decretadas pelo juiz da comarca, a pedido do MPE. O Gaeco não divulgou detalhes da investigação. Apenas informou que os três são investigados por tortura.

Os cumprimentos dos mandados de prisão contam com o apoio e acompanhamento da Corregedoria Geral de Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.

Em nota, a Corregedoria Geral da Polícia Civil informou que prestou apoio ao Gaeco.

“A Corregedoria da PJC não teve acesso prévio ao teor da denúncia da promotoria, no entanto, deu início às diligências para apurar os fatos no âmbito administrativo disciplinar”, declarou a assessoria da Polícia Civil.




Por: Denise Soares, G1 MT

Outras notícias

Comentários