ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Governo investe R$ 12 milhões na compra de novas pistolas para tropa da PM

Governo investe R$ 12 milhões na compra de novas pistolas para tropa da PM

access_time10/09/2021 16:36

O Governo de Mato Grosso autorizou a compra de mais seis mil novas armas de fogo calibre 9 mm para a

Menino de 5 anos que morreu atingido por tora brincava com crianças em pilha de madeira em MT, diz polícia

Menino de 5 anos que morreu atingido por tora brincava com crianças em pilha de madeira em MT, diz polícia

access_time30/07/2018 08:58

O menino de 5 anos, que morreu atingido por uma tora de madeira, foi enterrado nesse domingo (29) em

Nos pênaltis, São Paulo elimina o Ceará e avança à semifinal da Sul-Americana

Nos pênaltis, São Paulo elimina o Ceará e avança à semifinal da Sul-Americana

access_time10/08/2022 21:05

Nesta quarta-feira, 10, o São Paulo viajou para enfrentar o Ceará pela volta das quartas de final da

Depois de quatro anos em queda, carteira assinada volta a crescer
Marcello Casal/Agência Brasil

Depois de quatro anos em queda, carteira assinada volta a crescer

No período foram gerados 480 mil postos de trabalho formais, diz IBGE

access_time31/05/2019 09:19

Depois de 16 trimestres (quatro anos) seguidos de queda, o emprego no setor privado com carteira de trabalho assinada voltou a crescer. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (Pnad-C), o indicador cresceu 1,5% no trimestre encerrado em abril deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram gerados 480 mil postos de trabalho formais no período, totalizando 33,1 milhões de trabalhadores nessa situação.

“O aumento reflete o início de um quadro favorável. É a primeira vez que a categoria carteira de trabalho respira desde o início da crise em 2014”, disse o pesquisador do IBGE Cimar Azeredo.

Azeredo explica que a alta foi puxada pelos setores de educação e saúde, de trabalhadores de baixo nível educacional da mineração, da construção, do transporte e dos profissionais liberais.

Apesar da alta dos empregos com carteira de trabalho assinada, houve também uma alta nos empregos informais, isto é, aqueles sem carteira. A alta foi 3,4%, ou seja, 368 mil pessoas a mais do que no trimestre encerrado em abril do ano passado. No total, 11,2 milhões de pessoas estavam nessa situação no trimestre encerrado em abril deste ano.

Apesar das altas na comparação com abril do ano passado, os dois tipos de trabalho (formal e informal) mostraram estabilidade em relação ao trimestre encerrado em janeiro deste ano.

O rendimento médio real habitual do trabalhador ficou em R$ 2.295, ficou estável tanto em relação ao trimestre encerrado em janeiro deste ano quanto na comparação com abril do ano passado. A massa de rendimento real habitual chegou a R$ 206,8 bilhões, estável em relação a janeiro, mas 2,8% superior a abril do ano passado.

Subutilização
A população fora da força de trabalho (65 milhões de pessoas) permaneceu estável em ambas as comparações temporais. A população subutilizada, isto é, aquelas pessoas que estão desempregados, que trabalham menos do que poderiam, que não procuraram emprego mas estavam disponíveis para trabalhar ou que procuraram emprego mas não estavam disponíveis para a vaga, é recorde para a série histórica (iniciada em 2012).

De acordo com o IBGE, a população subutilizada chegou a 28,4 milhões de pessoas no trimestre encerrado em abril deste ano, 3,9% a mais do que no trimestre encerrado em janeiro deste ano e 3,7% a mais do que em abril do ano passado.

A taxa de subutilização ficou em 24,9%, superior aos 24,2% de janeiro e aos 24,5% de abril do ano passado. O número de pessoas desalentadas, isto é, aquelas que desistiram de procurar emprego, chegou a 4,9 milhões, 4,3% a mais do que em janeiro e 4,2% a mais do que em abril de 2018.





Por: Vitor Abdala - Repórter da Agencia Brasil

Outras notícias

Comentários