Camara Peixoto
Notícias recentes
Operação contra fraudes e desvios de auxílio emergencial da Caixa é deflagrada pela PF em MT

Operação contra fraudes e desvios de auxílio emergencial da Caixa é deflagrada pela PF em MT

access_time05/04/2022 10:11

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (5) em Cuiabá (MT) e Vilhena (RO), a Operação Auxílio

Ministro do STJ vê indícios de que governador do Pará direcionou irregularmente compra de respiradores

Ministro do STJ vê indícios de que governador do Pará direcionou irregularmente compra de respiradores

access_time10/06/2020 14:43

O ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), disse que há indícios de que o g

Suspeitos de tentar furtar em residência são presos com arma de fogo em rodovia estadual no Nortão

Suspeitos de tentar furtar em residência são presos com arma de fogo em rodovia estadual no Nortão

access_time04/10/2021 09:17

Dois homens de 46 e 19 anos foram presos pela Polícia Militar, ontem, acusados de tentativa de furto

Deputados de MT devem votar projeto que permite mineração em áreas de reserva legal nesta quarta
O texto, de autoria do deputado estadual Carlos Avallone (PSDB), poderá ser votado ainda nesta quarta-feira (5)
Foto por: Foto: Ronaldo Mazza/ALMT

Deputados de MT devem votar projeto que permite mineração em áreas de reserva legal nesta quarta

Projeto é ilegal e inconstitucional, afirma Observatório Socioambiental de Mato Grosso.

access_time05/01/2022 17:19

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso colocou em pauta, em caráter emergencial, o Projeto de Lei Complementar que permite que áreas de reserva legal sejam exploradas por atividades de mineração e até mesmo realocadas fora da propriedade.

O texto, de autoria do deputado estadual Carlos Avallone (PSDB), poderá ser votado ainda nesta quarta-feira (5).

De acordo com o Observatório Socioambiental de Mato Grosso (Observa-MT), formado por organizações da sociedade civil com reconhecida expertise na implementação do Código Florestal, a proposta fere a legislação ambiental federal, além de ser inconstitucional.

Em outubro, houve uma primeira tentativa de votação às vésperas da Conferência do Clima da ONU (COP-26).

De acordo com o documento, o PLC altera a finalidade da Reserva Legal, área localizada dentro de uma propriedade rural com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos recursos naturais.

O Observa-MT solicitou um parecer jurídico à advogada Mariana Jéssica Barboza Lacerda da Matta sobre os aspectos ilegais e inconstitucionais do texto do PLC.

A análise técnica apontou que há vício de iniciativa, uma vez que o artigo 22 da Constituição Federal estabelece que cabe privativamente à União legislar sobre 'jazidas, minas, outros recursos minerais e metalurgia'.

O texto ainda desconsidera a função social da propriedade e afronta os princípios do artigo 225, que trata da proibição de retrocessos em matéria ambiental.

Entre as ilegalidades identificadas pelo jurídico, estão flexibilização na proteção da Reserva Legal, o que contraria a Lei federal n° 12.651/2012, e o retrocesso quanto à possibilidade de deslocamento dessas áreas, um tema já pacificado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Além disso, segundo a jurista, o projeto de lei descaracteriza a Reserva Legal e fere a possibilidade de seu uso sustentável, ao estabelecer critérios mais brandos para ações potencialmente mais lesivas.

A proposta prevê, por exemplo, a possibilidade de supressão da Reserva Legal em casos de interesse social, utilidade pública, exploração mineral ou pesquisa científica - conceitos que, de acordo com o parecer, são 'demasiadamente abertos, permitindo que diversas situações se enquadrassem em tais previsões, o que contraria expressamente o que está previsto no Código Florestal'.

À época da primeira tentativa de votação, as ilegalidades do projeto também foram alvo de manifestação do Ministério Público Estadual.

Em nota assinada pelo Procurador-geral de Justiça José Antonio Borges Pereira, e pelo Procurador de Justiça de Defesa Ambiental e da Ordem Urbanística, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, o MP afirmou que a proposta 'fomenta a prática de ilícitos ambientais e resulta em novos estímulos aos desmatamentos no estado de Mato Grosso'.

“O projeto pretende alterar o regime do instituto da Reserva Legal, descaracterizando-a e entregando ao comércio seu solo e, consequentemente, destruindo a flora e fauna ali presente, razão principal da sua existência”, disse o MP, na nota.

O projeto já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e só não foi votado ontem em razão de um pedido de vistas formulado pelo deputado estadual Lúdio Cabral (PT).

Como foi colocado em regime de urgência, no entanto, o prazo para análise é reduzido de cinco dias para 24 horas.

Além de um substitutivo, a pedido da sociedade o parlamentar defende a realização de uma audiência pública para ampliar o debate a respeito da proposta.





Por: Por g1 MT

Outras notícias

Comentários