Spigreen
Notícias recentes
Coreia do Norte faz novo disparo de projétil

Coreia do Norte faz novo disparo de projétil

access_time09/05/2019 10:01

A agência de notícias sul-coreana Yonhap informou hoje (9) que, segundo membros do Estado Maior das

PF prende ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli

PF prende ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli

access_time20/07/2018 15:49

O ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli foi preso na manhã de hoje (20) pela Polícia

Senado aprova fim de cobrança na escolha de assento em avião

Senado aprova fim de cobrança na escolha de assento em avião

access_time09/08/2018 08:24

Os senadores aprovaram nesta quarta-feira (8) projeto que proíbe companhias aéreas de cobrarem valor

Detida no Irã célebre advogada dos direitos humanos, denuncia marido
A advogada iraniana Nasrin Sotoudeh em 1º de outubro de 2008 (Foto: AFP)

Detida no Irã célebre advogada dos direitos humanos, denuncia marido

Nasrin Sotoudeh foi levada a prisão de Teerã onde são mantidos vários presos políticos, segundo relato do marido

access_time13/06/2018 13:24

A advogada iraniana dos direitos humanos Nasrin Sotoudeh, premiada no exterior por sua luta, foi detida nesta quarta-feira (13) - denunciou seu marido no Facebook.

"Nasrin foi detida em casa há algumas horas e transferida para Evin", escreve seu marido, Reza Khandan, referindo-se à conhecida prisão de Teerã, onde são mantidos vários presos políticos.

A advogada, de 55 anos, um símbolo do ativismo em favor dos direitos humanos no Irã, defendeu recentemente várias mulheres detidas por terem tirado do véu em público, em protesto contra a obrigação de usá-lo desde a Revolução Islâmica de 1979.

Sotoudeh defendeu jornalistas e ativistas, como a advogada e Prêmio Nobel da Paz Shirin Ebadi, assim como opositores detidos durante as grandes manifestações de 2009 contra a reeleição do presidente ultraconservador Mahmud Ahmadinejad.

Em 2012, Nasrin Sotoudeh conquistou o Prêmio Sakharov concedido pelo Parlamento europeu.

Três anos presa
Ela passou três anos presa entre 2010 e 2013 por ter agido, segundo as autoridades, "contra a segurança nacional" e por ter disseminado "propaganda antirregime". Durante sua detenção, fez duas greves de fome para protestar contra as condições de detenção na prisão de Evin e contra a proibição de ver seus filhos.

Foi solta em setembro de 2013, pouco antes de o presidente moderado, então recém-eleito, Hassan Rohani, assistir à Assembleia Geral da ONU.

Em troca, foi proibida de exercer sua profissão em casos políticos, assim como de deixar o país até até 2022.





Por: France Presse

Outras notícias

Comentários