anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Homem é preso pela PM com tablete de maconha, duas armas e 35 munições em Matupá

Homem é preso pela PM com tablete de maconha, duas armas e 35 munições em Matupá

access_time27/04/2023 07:30

Policiais militares do 22º Batalhão e da 2ª Companhia Independente apreenderam, na noite de terça-fe

Mercadante avalia crédito do BNDES para fornecedores das Americanas

Mercadante avalia crédito do BNDES para fornecedores das Americanas

access_time15/02/2023 11:04

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, le

Governador do Acre e sua família são alvos de operação contra corrupção e lavagem de dinheiro

Governador do Acre e sua família são alvos de operação contra corrupção e lavagem de dinheiro

access_time09/03/2023 09:19

A Polícia Federal e a Procuradoria-feral da República (PGR), com apoio da Controladoria-geral da Uni

Dois de MT votam a favor de Lula para manter 39 ministérios em Brasília
Emanuelzinho e Flavinha são do MDB, base de Lula (foto: reprodução)

Dois de MT votam a favor de Lula para manter 39 ministérios em Brasília

Da bancada de MT só Emanuelzinho e Flavinha votam a favor de aumento dos ministérios de Lula. O presidente editou Medida Provisória para criar 17 ministérios e assim acomodar políticos e militantes aliados

access_time01/06/2023 09:20

O deputado federal Emanuel Pinheiro, Emanuelzinho (MDB), e deputada federal Ana Flávia Rodrigues Ramiro, a Flavinha (MDB), foram os únicos representantes de Mato Grosso a votar favorável na Câmara dos Deputados, em sessão realizada na segunda-feira (31), à Medida Provisória 1154/2023, permitindo ao presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva manter a estrutura administrativa do governo federal com 39 ministérios.

Votaram contrários os deputados Abílio Brunini, Amália Barros, Coronel Fernanda e José Medeiros, todos do PL, e Fábio Garcia e Coronel Assis, ambos do União Brasil.

Ao assumir a Presidência da República em janeiro de 2023, Lula editou Medida Provisória para criar 17 ministérios e assim acomodar políticos e militantes aliados. A MP iria caducar a meia-noite do dia 31 de maio, o que levou a uma intensa movimentação do Palácio do Planalto para garantir a aprovação. Conforme o jornal Folha de S. Paulo, Lula autorizou R$ 1,7 bilhão na liberação de emendas aos deputados federais.

O texto aprovado é o parecer do relator da medida, deputado Isnaldo Bulhões Jr. (MDB-AL). Algumas das principais mudanças ocorrem no Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, que perde a Política Nacional de Recursos Hídricos e a gestão do Cadastro Ambiental Rural (CAR) em âmbito federal.

Em razão das mudanças, o Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional permanece, como no governo anterior, com os recursos hídricos, contando em sua estrutura com o Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) e a Agência Nacional de Águas (ANA), que passa a cuidar ainda do saneamento básico.

O Desenvolvimento Regional ficará também com a parte da compensação pelo uso dos recursos hídricos para a produção energética, devida pelas usinas hidrelétricas aos governos municipais, estaduais e federal.

Já o gerenciamento de sistemas de saneamento básico, resíduos sólidos e recursos hídricos, hoje no Meio Ambiente, vai para o Ministério das Cidades, que, no saneamento, atuará inclusive em terras indígenas.

O CAR ficará com o Ministério de Gestão e da Inovação em Serviços Públicos.

Florestas

No caso da gestão de florestas, o Ministério do Meio Ambiente continua com aquelas públicas concedidas para a produção sustentável. Já a gestão de florestas plantadas continua com o Ministério da Agricultura, mas em articulação com o Meio Ambiente.

Segundo o texto aprovado, as políticas sobre proteção, recuperação da vegetação nativa e programas ambientais passam a englobar também outros biomas além da Amazônia.

Na elaboração do zoneamento ecológico-econômico (ZEE) e de outros instrumentos de ordenamento territorial será abordado o planejamento espacial marinho em articulação com outros ministérios competentes (como da Pesca).

Povos Indígenas

Uma das novidades do texto original da MP em relação às estruturas anteriores é a criação, pela primeira vez, de um Ministério dos Povos Indígenas.

Entretanto, pelo texto aprovado, a atribuição inicialmente dada pela MP de realizar o reconhecimento e a demarcação de terras indígenas não ficará mais com a pasta, voltando ao Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O novo ministério continuará com a competência de defender e gerir as terras e os territórios indígenas, além de tratar da política indigenista.

Um dos órgãos subordinados, a Fundação Nacional do Índio (Funai), passou a se chamar Fundação Nacional dos Povos Indígenas.

Agricultura familiar

Outro ministério recriado pela MP é o do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, que cuidará também da identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação de terras de comunidades quilombolas, observadas as competências do Ministério da Igualdade Racial.

Nova estrutura

Confira a lista dos ministérios da nova estrutura:

- Agricultura e Pecuária;
- Cidades;
- Cultura;
- Ciência, Tecnologia e Inovação;
- Comunicações;
- Defesa;
- Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar;
- Integração e do Desenvolvimento Regional;
- Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome;
- Direitos Humanos e da Cidadania;
- Fazenda;
- Educação;
- Esporte;
- Gestão e Inovação em Serviços Públicos;
- Igualdade Racial;
- Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços;
- Justiça e Segurança Pública;
- Meio Ambiente e Mudança do Clima;
- Minas e Energia;
- Mulheres;
- Pesca e Aquicultura;
- Planejamento e Orçamento;
- Portos e Aeroportos;
- Povos Indígenas;
- Previdência Social;
- Relações Exteriores;
- Saúde;
- Trabalho e Emprego;
- Transportes;
- Turismo;
- Controladoria-Geral da União.

Os órgãos com status de ministério são:

- Casa Civil da Presidência da República;
- Secretaria das Relações Institucionais da Presidência;
- Secretaria-Geral da Presidência;
- Secretaria de Comunicação Social;
- Gabinete de Segurança Institucional (GSI);
- Advocacia-Geral da União (AGU)





Por: RAFAEL COSTA DO REPÓRTER MT

Outras notícias

Comentários