Banner Outras
Notícias recentes
Administração Municipal irá realizar o 1º Fomenta Peixoto

Administração Municipal irá realizar o 1º Fomenta Peixoto

access_time11/09/2018 15:59

O evento será realizado no domingo (16), no local do Peixoto Rodeio Show, com início às 15h, entrada

Morre aos 108 anos Georges Loinger, que salvou centenas de crianças na Segunda Guerra

Morre aos 108 anos Georges Loinger, que salvou centenas de crianças na Segunda Guerra

access_time30/12/2018 14:28

O militante da resistência judia Georges Loinger, que salvou a vida de centenas de crianças durante

Governo do Equador restringe circulação de pessoas

Governo do Equador restringe circulação de pessoas

access_time09/10/2019 08:39

O presidente do Equador, Lenín Moreno, assinou decreto restringindo a livre circulação de pessoas em

Economia brasileira cresce 0,4% no segundo trimestre, anuncia IBGE

Economia brasileira cresce 0,4% no segundo trimestre, anuncia IBGE

access_time29/08/2019 09:25

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, teve um crescimento de 0,4% no segundo trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior. O PIB somou R$ 1,78 trilhão no período.

O dado foi divulgado hoje (29), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O PIB também apresentou altas de 1% na comparação com o segundo trimestre de 2018, de 0,7% no acumulado do ano e de 1% nos últimos 12 meses.

Na comparação do segundo com o primeiro trimestre deste ano, a alta de 0,4% foi puxada, sob a ótica da produção, pelos crescimentos de 0,3% do setor de serviços e de 0,7% da indústria. A agropecuária recuou 0,4% no período.

Na indústria, os principais desempenhos vieram da indústria da transformação (2%) e da construção (1,9%). As indústrias extrativas recuaram 3,8% e a atividade de eletricidade, gás, água, esgoto e gestão de resíduos caiu 0,7%.

Nos serviços, houve resultados positivos nas atividades imobiliárias (0,7%), comércio (0,7%), informação e comunicação (0,5%) e outras atividades de serviços (0,4%).

Por outro lado, tiveram queda os segmentos de administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,6%), transporte, armazenagem e correio (-0,3%) e atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-0,1%).

Demanda
Sob a ótica da demanda, a alta do PIB do primeiro para o segundo trimestre foi puxada pela formação bruta de capital fixo, isto é, os investimentos (3,2%), e pelo consumo das famílias (0,3%). O consumo do governo teve queda de 1% e as exportações recuaram 1,6%. As importações cresceram 1%.

Matéria alterada às 9h23 para acréscimo de informações





Por: Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil

Outras notícias

Comentários