anuncie aqui
Notícias recentes
Reunião sobre frete termina sem acordo; Fux decidirá em agosto

Reunião sobre frete termina sem acordo; Fux decidirá em agosto

access_time28/06/2018 14:51

A segunda reunião no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a tabela de preços mínimos de frete, reali

Homem morre após ter 90% do corpo queimado por ex-companheiro de amigo

Homem morre após ter 90% do corpo queimado por ex-companheiro de amigo

access_time19/06/2018 06:56

O promotor de eventos, Gilson Oliveira, de 42 anos morreu no sábado (16), no Centro de Tratamento de

Papa: “Todo feminismo acaba sendo um machismo de saias”

Papa: “Todo feminismo acaba sendo um machismo de saias”

access_time23/02/2019 08:35

Accountability, algo como prestação de contas em português, não tem uma tradução direta no mundo lat

Entenda a crise da moeda da Turquia e os efeitos para emergentes e o Brasil
Notas de lira turca em casa de câmbio em Istambul (Foto: Murad Sezer/Reuters)

Entenda a crise da moeda da Turquia e os efeitos para emergentes e o Brasil

Lira turca acumula queda de mais de 40% frente ao dólar neste ano e evidencia vulnerabilidade de economias muito dependentes de capitais estrangeiros

access_time13/08/2018 13:58

A forte desvalorização da moeda da Turquia tem provocado turbulência nos mercados e um efeito dominó em outros países emergentes como o Brasil, sobretudo nas economias muito dependentes de capitais estrangeiros. Por trás da crise monetária turca está a pressão do mercado para que o banco central da Turquia eleve a taxa de juros e também o aumento da tensão diplomática entre o país e os Estados Unidos.

Nesta segunda-feira, o dólar chegou a bater R$ 3,91 frente ao real, com maior aversão ao risco e temores de contágio da crise turca nos países emergentes.

Do rand sul-africano ao peso argentino, passando pelo real brasileiro e pelo rublo russo, a maioria das divisas emergentes teve forte queda nos últimos dias.

A lira turca bateu nesta segunda-feira a mínima recorde de 7,24 contra o dólar e já acumula queda de mais de 40% neste ano. Somente na sexta-feira, a moeda despencou 18%, em grande parte devido às preocupações com a influência do presidente Tayyip Erdogan sobre a economia, suas repetidas solicitações por taxas de juros mais baixas e o agravamento dos laços com os Estados Unidos.

Investidores e analistas defendem que o Banco Central aumente as taxas de juros para defender a lira e controlar a inflação (que em julho alcançou a 16% em ritmo anual), enquanto o governo tem se mostrado contrário ao movimento.

Qual foi a resposta do governo turco?
O banco central da Turquia flexibilizou os índices de reservas obrigatórias para os bancos, com o objetivo de tentar frear a desvalorização da lira e evitar qualquer problema de liquidez, e informou que proporcionaria ao sistema financeiro quase 10 bilhões de liras (US$ 6 bilhões) e US$ 3 bilhões em liquidez equivalente ao ouro.

Após o anúncio, a lira turca recuperou parte das perdas, mas o movimento de aversão ao risco ganhos permanecia.

"É uma crise dada. Por muitos anos todos disseram que a Turquia era um país fraco devido à sua grande dívida externa e déficit em conta corrente", disse o estrategista-sênior de mercados emergentes do Credit Agricole, Guillaume Tresca. "Não há nada de surpreendente além de o banco central não estar realmente reagindo. Eles lançaram esse novo plano, mas não há um aperto nas condições financeiras, estão completamente atrasados", acrescentou.

A crise também tem natureza política?
Sim. Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que vai dobrar as taxas sobre a importação de aço e alumínio turcos, usando a taxa de câmbio entre os dois países como justificativa, o que elevou a tensão diplomática entre os países.

No centro da crise política está o pastor americano Andrew Brunson, julgado na Turquia por "terrorismo" e "espionagem", em prisão domiciliar desde julho, depois de passar um ano e meio em uma penitenciária. Os Estados Unidos pedem a libertação imediata do pastor, enquanto Ancara solicita a extradição de Fethullah Gülen, pregador turco exilado há 20 anos nos Estados Unidos e a quem o governo turco atribui o golpe de Estado frustrado de julho de 2016.

Erdogan, que atribuiu a um complô a queda vertiginosa da lira turca, acusou os Estados Unidos de quererem esfaquear a Turquia pelas costas. "De uma parte, vocês estão conosco na Otan e, de outra parte, tentam esfaquear seu aliado estratégico pelas costas. É aceitável algo assim?", questionou durante um discurso.

Quais os impactos da crise nos mercados?
O movimento de aversão ao risco tem derrubado outras moedas de países emergentes e ganhou força na sexta-feira com a notícia de que o Banco Central Europeu (BCE) estaria preocupado com a exposição dos bancos ao país. A Turquia tem o maior déficit em conta corrente do G-20, uma economia em superaquecimento e forte desvalorização do câmbio, o que tem levado a uma inflação de 2 dígitos.

Em uma semana, o rand sul-africano e o rublo russo perderam 8% ante o dólar, alcançando nesta segunda seu nível mais baixo em dois anos. A mesma tendência foi seguida pelo peso argentino, que cedeu quase 6% desde segunda passada.

Por que os países emergentes são os mais afetados?
A crise turca tem exposto a vulnerabilidade de economias muito dependentes dos capitais estrangeiros. Desde o início do ano e da aceleração do aumento dos juros nos EUA, as moedas destes países vêm se desvalorizando.

A perspectiva de juros maiores nos EUA tem levado investidores estrangeiros a abandonar os mercados emergentes e redirecionado os fluxos de dólares pelo mundo. Este mecanismo cria um círculo vicioso: a divisa local perde terreno frente ao dólar, o custo das importações aumenta de maneira automática e, com este, a inflação, animando os investidores estrangeiros a recuperar o que foi investido.

A moeda da Argentina, que obteve recentemente um empréstimo de US$ 50 bilhões do FMI para enfrentar a desvalorização do peso, desabou 35% entre abril e junho, é um exemplo.

Quais os efeitos para o Brasil?
Na esteira da crise turca, o dólar acumulou na semana passada valorização de 4,25% frente ao real e nesta segunda-feira (13) bateu R$ 3,92. Além dos impactos no câmbio, a turbulência também tem afetado o contrato de juros futuros, o que pode colocar pressão para a manutenção da taxa básica de juros no atual patamar de 6,5% ao ano.

"Os juros no Brasil já estão operando na curva-pré nos mesmos patamares de 2016 e a curva de juros indica de maneira implícita Selic a 7,50% no final deste ano", afirma o economista André Perfeito, da corretora Spinelli.

O mercado também manteve, entretanto, estável em 6,50% ao ano sua estimativa para a Selic, segundo pesquisa Focus divulgada nesta segunda pelo Banco Central.

Analistas destacam, entretanto, que o volume expressivo de reservas internacionais garantem ao Brasil um colchão maior de proteção para enfrentar volatilidades e maiores turbulências nos fluxos de entradas e saídas de dólares do país.

O país ainda possui reservas cambiais que chegam a US$ 380 bilhões. Além disso, a parcela em dólar da dívida é extremamente baixa, não chega a 3%, e o déficit em transações – as trocas com outros países – também é baixo.





Por: G1

Outras notícias

Comentários