Spigreen
Notícias recentes
Itamaraty vai pedir liberação de documentos da CIA

Itamaraty vai pedir liberação de documentos da CIA

access_time14/05/2018 07:26

O Ministério das Relações Exteriores vai pedir ao governo dos Estados Unidos a liberação dos documen

Dólar bate R$ 5 pela 1ª vez na história

Dólar bate R$ 5 pela 1ª vez na história

access_time12/03/2020 08:41

O dólar superou os 5 reais pela primeira vez logo após a abertura desta quinta-feira, subindo mais d

Moradores de Barão de Cocais deixam casas após alerta de barragem

Moradores de Barão de Cocais deixam casas após alerta de barragem

access_time08/02/2019 07:50

Cerca de 500 moradores de Barão de Cocais (MG), a 100 quilômetros de Belo Horizonte, foram retirados

Espionagem dos EUA descobre que a Coreia do Norte desenvolve novos mísseis

Espionagem dos EUA descobre que a Coreia do Norte desenvolve novos mísseis

Revelação do 'The Washington Post' coloca dúvidas sobre a vontade de Pyongyang de avançar na desnuclearização

access_time01/08/2018 08:25

A Coreia do Norte trabalha na construção de novos mísseis com capacidade de carga nuclear à longa distância, de acordo com informações do The Washington Post. O jornal norte-americano cita fontes da inteligência dos EUA que teriam assegurado que sua espionagem detectou evidências de que em uma fábrica próxima a Pyongyang, capital norte-coreana, estariam sendo fabricados um ou dois mísseis balísticos intercontinentais. A revelação coloca dúvidas sobre a vontade real do regime de Kim Jong-un de avançar nas negociações de desnuclearização que mantém com o Governo de Donald Trump.

O The Washington Post, com base em fontes anônimas, afirma que as produções balísticas estão sendo realizadas na fábrica de Sanumdong, onde foi feito o primeiro foguete intercontinental norte-coreano com capacidade para alcançar os Estados Unidos. O serviço de espionagem dos EUA teria, entre outras provas, várias fotos de satélites tiradas nas últimas semanas.

Poucos dias atrás especialistas da página especializada 38North chegaram à conclusão, a partir de imagens de satélites, de que Pyongyang estava demolindo uma das maiores instalações de sua agência aeroespacial, fundamental ao desenvolvimento e testes dos motores de seus mísseis balísticos. As fotos mostravam a destruição parcial de edifícios do complexo e guindastes.

No dia 12 de julho, Trump comemorou o fato de Kim lhe enviar uma carta na qual o ditador norte-coreano se dizia “convencido” de que ocorreram “progressos” nas relações entre os dois países. Para Trump era uma amostra do compromisso de Pyongyang de seguir o roteiro marcado por sua declaração conjunta de 12 de junho, após a reunião dos dois mandatários em Singapura.

Trump e Kim conversaram nessa ocasião sobre a possibilidade de se estabelecer um regime de paz duradouro na península coreana que dê garantias de segurança à Coreia do Norte em troca da renúncia de seu programa nuclear. Ao voltar de Singapura, um Trump triunfante declarou que a Coreia do Norte já não significava uma “ameaça nuclear”. O compromisso de Singapura, de qualquer forma, foi vago e a Coreia do Norte não assinou nenhum calendário para seu processo de desnuclearização e não abriu suas portas a inspeções.

Na semana passada no Senado, o Secretário de Estado, Mike Pompeo, reconheceu que seu Governo sabe que Pyongyang continua “produzindo material fissionável”, ainda que não tenha respondido à pergunta sobre se o regime de Kim estava fabricando novos mísseis. Pompeo, que foi diretor da CIA, afirmou que estão dispostos a utilizar “uma diplomacia paciente” com a Coreia do Norte, mas acrescentou que Washington exigirá resultados: “Não permitiremos que arrastem essa situação indefinidamente”.





Por: El País

Outras notícias

Comentários