anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Desembargadora não suspende condenação de prefeito de Matupá; mandato é questionado no TSE

Desembargadora não suspende condenação de prefeito de Matupá; mandato é questionado no TSE

access_time29/04/2021 07:14

A vice-presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Maria Aparecida Ribeiro, negou um pedido fe

Cartão do Caminhoneiro entra em vigor no dia 20 de maio

Cartão do Caminhoneiro entra em vigor no dia 20 de maio

access_time17/05/2019 08:50

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, confirmaram hoje (1

'Pensei que fosse um cachorro', diz moradora que teve casa invadida por onça-parda em cidade de MT

'Pensei que fosse um cachorro', diz moradora que teve casa invadida por onça-parda em cidade de MT

access_time15/10/2019 15:51

A moradora que recebeu uma visita inesperada de uma onça-parda no sábado (12), no Bairro Cavalhada,

EUA apresentam candidatura para voltar a conselho da ONU
© Reuters/Carlos Barria/Direitos Reservados

EUA apresentam candidatura para voltar a conselho da ONU

Anúncio foi feito pelo chefe da diplomacia, Antony Blinken

access_time24/02/2021 09:40

Os Estados Unidos (EUA) vão concorrer a um assento no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), anunciou hoje (24) o chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, lembrando o abandono da política da "cadeira vazia" seguida pela administração Trump.

"Tenho o prazer de anunciar que os Estados Unidos vão concorrer a um assento no Conselho de Direitos Humanos para o mandato 2022-2024", afirmou Blinken, durante videoconferência feita na organização.

"Pedimos humildemente que todos os Estados-membros das Nações Unidas apoiem o nosso desejo de voltar a ocupar um lugar nessa instituição", acrescentou.

A administração Trump anunciou, em junho de 2018, que ia abandonar o conselho, que constitui o órgão máximo da ONU no campo da defesa dos direitos humanos, acusando-o de hipocrisia e de prejudicar Israel.

"Os Estados Unidos colocam a democracia e os direitos humanos no centro de sua política externa, porque são essenciais para a paz e a estabilidade", justificou Blinken.

"Esta ligação está enraizada na nossa própria experiência de uma democracia imperfeita e, muitas vezes, aquém dos nossos próprios ideais, mas que tenta sempre tornar-nos um país mais unido, mais respeitoso e mais livre", adiantou em declarações que contrastam com a posição seguida pelo seu antecessor, Mike Pompeo.

Embora Blinken tenha elogiado a utilidade do conselho e destacado a sua importância, em particular para chamar rapidamente a atenção para as crises, o diplomata norte-americano aconselhou os membros do organismo a repensarem o seu funcionamento.

"Encorajamos o Conselho de Direitos Humanos a examinar a forma como funciona, incluindo a atenção desproporcional dada a Israel", alertou, sugerindo que o tratamento dado a Israel e a aos territórios palestinos seja como os de qualquer outro país.

Além disso, defendeu que países que não tenham um bom histórico de direitos humanos não sejam membros do conselho.

A China, a Rússia, mas também a Venezuela, Cuba ou mesmo os Camarões, a Eritreia e as Filipinas são regularmente criticados por organizações de direitos humanos e outros países pela forma como tratam seus cidadãos.

Blinken criticou especificamente a Rússia pelo tratamento dado aos que se opõem ao Kremlin, citando Alexei Navalny, mas também denunciou as "atrocidades" cometidas por Pequim na região de Xinjiang e a situação em Hong Kong.

O representante norte-americano pelos Negócios Estrangeiros lembrou ainda que os Estados Unidos marcaram seu retorno ao Conselho dos Direitos Humanos ao condenar o golpe de Estado em Myanmar (antiga Birmânia).

A estratégia do ex-presidente Donald Trump de deixar "vazia" a cadeira dos Estados Unidos - devido a uma desconfiança visceral no multilateralismo - criou um vácuo no Conselho dos Direitos Humanos e na Organização Mundial da Saúde, por exemplo - que foi rapidamente ocupado pelas diplomacias chinesa e russa.

O Conselho dos Direitos Humanos tem 47 membros de pleno direito, eleitos pela maioria dos Estados da Assembleia Geral da ONU para um mandato de três anos, enquanto os países restantes mantêm estatuto de observadores.

Os Estados Unidos são o único membro permanente do Conselho de Segurança da ONU que não tem assento na atual sessão da instituição, que começou nesta semana.





Por: RTP - Washington

Outras notícias

Comentários