ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Ação integrada apreende 9 fardos de cocaína em avião vindo da Bolívia

Ação integrada apreende 9 fardos de cocaína em avião vindo da Bolívia

access_time09/09/2021 07:18

Um avião de pequeno porte fez um pouso forçado e caiu em Brasnorte com nove fardos de cocaína, por v

Ibama e PF destroem máquinas avaliadas em R$ 1 milhão

Ibama e PF destroem máquinas avaliadas em R$ 1 milhão

access_time19/03/2022 17:11

Uma ação da Polícia Federal e do Ibama apreendeu e destruiu três máquinas nesta quinta-feira (17) na

Cleo exibe decote farto de lingerie

Cleo exibe decote farto de lingerie

access_time23/05/2018 07:08

Em clique com os cabelos molhados, Cleo exibiu o decote farto de sutiã. Na legenda, ela brincou com

Ex-procurador do Estado, Chico Lima, é indicado por corrupção passiva
Ex-procurador do Estado, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima
Foto por: João Vieira

Ex-procurador do Estado, Chico Lima, é indicado por corrupção passiva

DENUNCIADO AO MPE

access_time06/06/2022 13:19

Delegacia Especializada em Crimes Fazendários (Defaz) indiciou o ex-procurador do Estado, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima, pelo crime de corrupção passiva no inquérito que apurava o crime de tráfico de influência resultado do desdobramento da Operação Sodoma.

De acordo com as informações da Polícia Civil, agora com o inquérito finalizado, o Lima foi indicado pela prática do crime e a denúncia já foi oferecida ao Ministério Público e recebida pela 7º Vara Criminal de Cuiabá.

Investigação

Consta na investigação que Lima solicitou e recebeu um cheque no valor de R$ 1 milhão, no ano de 2012, por ter auxiliado o acordo de emissão de cartas de crédito em favor de um grupo de policiais m cuja defesa era patrocinada pelo escritório de advocacia do ex-secretário Administração César Zílio, em troca de da renúncia/desistência das ações movidas contra o Estado de Mato Grosso.

Foi descoberto ainda que Lima atuava na elaboração de parecer do interesse do Governo, cuja tratativa foi finalizada em seu gabinete, na Casa Civil.

Finalizado o "acordo", o procurador da defesa das ações individuais e coletivas do policiais realizou a venda das cartas de crédito a outro escritório de advocacia, que fez o pagamento em 2 cheques, um deles no valor de R$ 1 milhão de reais, posteriormente destinado ao ex-procurador a título de comissão pela realização do negócio.

Depois disso, o cheque foi "trocado" em uma empresa, cujo dono também era sócio-proprietário de uma factoring, para o ex-procurador do Estado que, em contrapartida recebeu diversos cheques nominais de outras pessoas físicas como forma de dissimular a fraude perpetrada pelo investigado. (Com assessoria)





Por: Redação do GD redacao@gazetadigital.com.br

Outras notícias

Comentários