Spigreen
Notícias recentes
Programa de proteção para testemunhas e defensores de direitos humanos é implantado

Programa de proteção para testemunhas e defensores de direitos humanos é implantado

access_time03/08/2019 09:31

Por meio de um decreto, o governo de Mato Grosso implantou o Programa Estadual de Proteção aos Defen

Marina Ruy Barbosa treina cedinho no sábado e recebe elogios do personal

Marina Ruy Barbosa treina cedinho no sábado e recebe elogios do personal

access_time09/06/2018 18:22

Onde começou o seu sábado (09.06)? O de Marina Ruy Barbosa deu o start na academia - às 5h30 da manh

Pressão das autoridades força saída temporária de presidente da Vale

Pressão das autoridades força saída temporária de presidente da Vale

access_time04/03/2019 08:49

Cinco semanas depois do rompimento de uma barragem de resíduos em Brumadinho (MG) deixar mais de 300

Fachin nega quebra de sigilo telefônico de Temer, mas autoriza medida para ministros Padilha e Moreira
Da esquerda para a direita: Eliseu Padilha (Casa Civil), Michel Temer e Moreira Franco (Minas e Energia) (Foto: Alan Santos/PR)

Fachin nega quebra de sigilo telefônico de Temer, mas autoriza medida para ministros Padilha e Moreira

Pedido foi feito no inquérito que apura suposto pagamento de propina pela Odebrecht ao MDB. Defesa diz que Padilha não comentará assunto; defesa de Moreira vê medida 'desproporcional'.

access_time07/06/2018 17:55

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou a quebra do sigilo telefônico do presidente Michel Temer, mas autorizou a medida para os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Minas e Energia), ambos do MDB.

A quebra do sigilo foi pedida pela Polícia Federal no âmbito do inquérito que apura o suposto pagamento de propina de R$ 10 milhões, pela Odebrecht, quando o MDB comandava a Secretaria de Aviação Civil.

Procurado, o advogado de Padilha, Daniel Gerber afirmou: "O ministro Eliseu Padilha não irá comentar o assunto. Se for o caso, se manifestará apenas nos autos".

Já a defesa de Moreira Franco disse considerar a medida "desporporcional" já que, segundo os advogados, não há nenhum elemento que a justifique. A defesa também disse esperar que os dados telefônicos permitam "numa investigação imparcial" comprovar a inocência do ministro.

Em parecer ao Supremo, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu a quebra de sigilo somente para os ministros, se posicionando contra a medida no caso de Temer.

Para Dodge, ainda não há indícios que vinculem o presidente diretamente ao caso.

Entenda
A Polícia Federal queria a quebra do sigilo do presidente alegando que a medida possibilitaria verificar informações apresentadas nas delações de executivos da Odebrecht.

Em depoimento, Cláudio Mello Filho (ex-executivo da construtora) afirmou ao Ministério Público Federal (MPF) que Temer pediu em 2014 R$ 10 milhões a Marcelo Odebrecht.

Segundo Mello Filho, quando Temer ocupava a Vice-presidência da República, ele compareceu a um jantar no Palácio do Jaburu, com a participação de Marcelo Odebrecht, e do ministro Eliseu Padilha.

Ainda de acordo com o delator, neste encontro, Temer solicitou "direta e pessoalmente" a Marcelo Odebrecht apoio financeiro para as campanhas do MDB em 2014.

Sobre esse assunto, o presidente já admitiu que houve o jantar, mas sempre disse que não falaram de valores. O inquérito investiga esse suposto de pagamento de propina pela construtora na Secretaria de Aviação Civil quando a pasta foi comandada pelo MDB.

Esta foi a primeira vez que houve um pedido de quebra de sigilo telefônico em uma investigação que envolve o presidente.

* Colaborou Guilherme Mazui, do G1, em Brasília





Por: Camila Bomfim, TV Globo

Outras notícias

Comentários