anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Petrobras diz que não há previsão para reajuste de preços

Petrobras diz que não há previsão para reajuste de preços

access_time17/09/2019 08:02

A Petrobras informou, por meio de nota, que está monitorando o mercado internacional de petróleo, em

CR7 insinua possível saída:

CR7 insinua possível saída: "Foi muito lindo estar no Real Madrid"

access_time26/05/2018 19:17

Cristiano Ronaldo insinuou neste sábado após a conquista de mais um título da Liga dos Campeões, a q

Ambev registra lucro de mais de R$ 12 bilhões em 2019

Ambev registra lucro de mais de R$ 12 bilhões em 2019

access_time27/02/2020 09:41

A Ambev, maior fabricante de cerveja e refrigerantes da América Latina, registrou lucro líquido de R

Fazenda de Arcanjo em MT é vendida por quase R$ 12 milhões

Fazenda de Arcanjo em MT é vendida por quase R$ 12 milhões

R$ 800 milhões em bens de Arcanjo e pessoas ligadas a ele serão leiloados

access_time04/10/2021 17:22

O Poder Judiciário finalizou a venda de uma fazenda com 300 hectares que pertencia ao ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro. Quase R$ 12 milhões foram arrecadados com a venda. Arcanjo foi condenado pelos crimes de quadrilha, operação ilegal de instituição financeira, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Ao todo, quase R$ 800 milhões dos envolvidos nos crimes serão vendidos pelo Poder Judiciário. Segundo a Advocacia-Geral da União (AGU), são diversos imóveis e empresas que foram decretados perdidos em favor da União pela Justiça Federal por configurarem proveito ou produto dos crimes praticados pela organização criminosa.

Antes do leilão, a AGU se reuniu com o juízo da 7ª Vara da Justiça Federal de MT e a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (Senad/MJSP) para discutir as melhores estratégias para viabilizar alienação judicial dos bens.

A AGU atua no caso como assistente de acusação do Ministério Público Federal (MPF). Ambas as instituições fizeram um trabalho minucioso para demonstrar a origem de cada bem e seguir o caminho do dinheiro, comprovando que a organização criminosa buscava dar aparência de legalidade aos recursos de forma sofisticada. Acolhendo os pedidos do MPF e da AGU, a Justiça decretou a perda dos produtos dos crimes em nome de João Arcanjo, de suas empresas, de Silvia Chirata Arcanjo Ribeiro, de Nilson Roberto Teixeira e de outros.

As tentativas dos réus de reverter a decisão foram parar no Supremo Tribunal Federal (STF|), que negou o recurso e a decisão de primeira instância finalmente transitou em julgado em junho deste ano. Após essa decisão, o juízo de Mato Grosso determinou a incorporação e a gestão de todos os bens declarados perdidos para a União, determinando que toda a gestão e alienação dos mesmos ocorresse no âmbito administrativo, e não mais judicial.

Mas a AGU ingressou com mandado de segurança no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) para que as alienações continuem sendo feitas pelo Judiciário em busca de um desfecho mais rápido e de maior segurança jurídica para as partes envolvidas. O tribunal acatou parcialmente o pedido da União para "determinar que os atos de adjudicação se deem no prazo mínimo de 180 dias e máximo de 240 dias, devendo o juízo, durante esse período, promover os atos de alienação de todos aqueles bens que se revelem passíveis de alienar".

A decisão possibilitou que os procedimentos de venda prosseguissem e o leilão da fazenda ocorresse. O dinheiro será destinado ao Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) para a melhoria do sistema prisional brasileiro.

Os bens, direitos e valores que pertenciam aos condenados pela Justiça também contemplam créditos contra terceiros; cotas e participações em empreendimentos como shopping, distribuidora de combustíveis, empresa de energia elétrica; imóveis alugados na posse de terceiros; além de cheques, notas promissórias e um hotel localizado nos Estados Unidos, que já foi vendido e cuja parte dos ativos será repatriada ao Brasil.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários