anuncie aqui
Notícias recentes
MT abate 5 milhões de cabeças de gado em 2018, cerca de 9% a mais que no ano anterior

MT abate 5 milhões de cabeças de gado em 2018, cerca de 9% a mais que no ano anterior

access_time16/01/2019 08:05

O número de abates de gado em Mato Grosso, cresceu cerca de 9% em 2018, comparado ao ano anterior. S

Por que o Ebola continua voltando? Congo vive novo surto

Por que o Ebola continua voltando? Congo vive novo surto

access_time15/05/2018 07:36

O vírus ebola apareceu de novo, desta vez na República Democrática do Congo. Ainda que seja impossív

Grandes cidades enfrentarão condições climáticas

Grandes cidades enfrentarão condições climáticas "desconhecidas"

access_time11/07/2019 09:43

Um quinto das grandes cidades do mundo enfrentará condições climáticas "desconhecidas" até 2050, dis

Filhos do jornalista saudita assassinado pedem que corpo do pai seja devolvido
Jamal Khashoggi, jornalista crítico ao governo da Arábia Saudita, desapareceu após entrar no consulado do seu país em Istambul — Foto: Reprodução/TV Globo

Filhos do jornalista saudita assassinado pedem que corpo do pai seja devolvido

Abdullah Khashoggi afirmou que espera que a morte do pai não tenha sido dolorosa. Família quer fazer enterro em Medina, na Arábia Saudita

access_time05/11/2018 07:07

Os filhos do jornalista Jamal Khashoggi, que foi morto no consulado da Arábia Saudita, em Istambul, pediram às autoridades sauditas que devolvam o corpo de seu pai para a família, afirmaram em entrevista à CNN no domingo (4). Há relatos de que corpo foi desmembrado e até dissolvido em ácido.

"Falei sobre isso com as autoridades sauditas e espero que isso aconteça rapidamente", acrescentou.

Corpo dissolvido?
O procurador-geral turco disse que Khashoggi foi estrangulado pouco depois de entrar no consulado, em 2 de outubro, e que seu corpo foi desmembrado.

Yasin Aktay, conselheiro do presidente turco, insinuou em um artigo publicado na sexta (2) que o corpo pode ter sido destruído em ácido. Porém, o vice-presidente da Turquia, Fuat Oktay, afirmou nesta segunda (5) que essa hipótese tem que ser investigada.

De acordo com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, uma equipe enviada por Riad, ordenada por "altos níveis" do governo saudita, foi a responsável pela morte do jornalista.

Distorção
Os filhos do jornalista expressaram preocupação de que o trabalho de seu pai, um colunista do "Washington Post" crítico ao governo de Riad, esteja sendo distorcido por razões políticas.

"Jamal nunca foi um dissidente, ele acreditava na monarquia, que é o que mantém o país unido", acrescentou. Os irmãos disseram que se basearam principalmente em reportagens da imprensa para entender a morte de seu pai.

"Há muitos altos e baixos (...) e estamos tentando conhecer a história, partes da história, para completar o filme. É confuso e difícil. Não é uma situação normal e não é uma morte normal", disse Abdullah.

Salah enfatizou que "o rei declarou que tudo será levado à justiça", e acrescentou acreditar nisso.

Crime
Em 2 de outubro, o jornalista Jamal Khashoggi, que era crítico do governo saudita e colaborador do jornal "Washington Post", foi ao consulado da Arábia Saudita, em Istambul, para obter uma certidão necessária para seu casamento.

Em um primeiro momento, Riad anunciou que Khashoggi havia deixado o consulado pouco depois de entrar. Depois, o governo saudita afirmou que ele morreu durante uma briga e, mais tarde, finalmente reconheceu que o ato foi uma "operação não autorizada" pelo regime saudita, negando qualquer envolvimento do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Depois que o presidente turco, Tayyip Erdogan, afirmou que há fortes sinais de que o assassinato foi planejado, a Arábia Saudita anunciou que vai responsabilizar “quem quer que seja” pelo assassinato de Khashoggi e aqueles que falharam em suas funções.

Washington pressiona Riad para que o caso seja elucidado, mas parece conceder o benefício da dúvida ao príncipe herdeiro, poderoso aliado dos Estados Unidos no Oriente Médio. O presidente americano, Donald Trump, disse que o tratamento dado por Riad ao caso foi "o pior encobrimento de todos os tempos".





Por: France Presse

Outras notícias

Comentários