anuncie aqui
Notícias recentes
Pesquisa mostra impactos no bem-estar de usuários ao deixar Facebook

Pesquisa mostra impactos no bem-estar de usuários ao deixar Facebook

access_time06/02/2019 07:32

Uma pesquisa de acadêmicos das universidades de Stanford e de Nova York, nos Estados Unidos (EUA), m

Alunos da UFMT fazem greve contra mudanças na alimentação e cortes no orçamento

Alunos da UFMT fazem greve contra mudanças na alimentação e cortes no orçamento

access_time09/05/2018 10:11

Alunos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) decidiram em assembleia geral nessa terça-feira

MT tem o maior nº de candidatos 'forasteiros' ao Senado

MT tem o maior nº de candidatos 'forasteiros' ao Senado

access_time17/09/2018 08:24

Um em cada 3 candidatos aos governos estaduais nas eleições de 2018 nasceu fora do estado que preten

Furacão Michael atinge Flórida e já é um dos mais fortes da história dos EUA
Árvores durante passagem do furacão Michael em Panama City Beach, Flórida 10/10/2018

Furacão Michael atinge Flórida e já é um dos mais fortes da história dos EUA

access_time11/10/2018 08:36

O furacão Michael, a tempestade mais feroz a atingir a Flórida em um quarto de século e a terceira mais poderosa a atingir o solo dos Estados Unidos, entrava na costa do Golfo da Flórida nesta quarta-feira com ondas gigantes e ventos capazes de arrancar árvores.

O Michael, cuja rápida intensificação conforme se agitava ao norte do Golfo do México pegou muitos de surpresa, atingiu solo no início da tarde perto de Mexico Beach, a 32 quilômetros de Panama City, na região noroeste da Flórida, com ventos máximos chegando a 249 quilômetros por hora.

A tempestade tocou solo como um furacão de Categoria 4 na escala Saffir-Simpson, de cinco categorias. Seus ventos máximos sustentados estavam somente a 3,2 quilômetros por hora da extremamente rara Categoria 5.

Como previsto, a tempestade foi diminuída horas depois para uma ainda poderosa Categoria 3, com ventos máximos sustentados de 205 quilômetros por hora e rajadas mais fortes conforme adentrava na fronteira entre Alabama e Geórgia.

Causando grandes interrupções na produção de petróleo e gás no Golfo antes mesmo de sua chegada, a tempestade deve desencadear ondas de até 4,3 metros acima no nível do mar em algumas áreas, informou o Centro Nacional de Furacões.

“Meu Deus, isto é assustador. Eu não esperava nada disso”, disse Bill Manning, um atendente de mercearia de 63 anos que deixou sua campervan em Panama City para se abrigar em um hotel, que acabou ficando sem luz. “Panama City, eu não sei se vai sobrar muita coisa.”

Somente algumas horas depois do Michael tocar o solo, já havia inundações de mais de 2,3 metros de profundidade perto de Apalachicola, no noroeste da Flórida, disse o diretor do Centro Nacional de Furacões, Ken Graham.

Autoridades haviam pedido para moradores de áreas costeiras em 20 condados da Flórida ao longo de uma faixa de 320 quilômetros fossem para áreas mais altas antes da tempestade, mas quem não saiu de casa até a manhã desta quarta-feira foi informado que já era muito tarde para sair.

Estima-se que 6 mil retirados se abrigaram em abrigos de emergência, a maioria deles na Flórida, e que o número deve chegar a 20 mil em cinco Estados até o final da semana, disse Brad Kieserman, da Cruz Vermelha Americana.

Mesmo antes do Michael chegar completamente em solo, o furacão já arrancava árvores com seus ventos e inundava a cidade de Port St. Joe.

“A sensação é que você não sabe quando a próxima árvore vai cair em cima de você”, disse o prefeito de Port St. Joe, Bo Patterson. “É muito, muito assustador. Nós temos árvores sendo arrancadas, chuva forte, muito forte”.





Por: Reuters

Outras notícias

Comentários