anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Jovem acusado de agredir familiares com socos durante confraternização acaba preso em Peixoto

Jovem acusado de agredir familiares com socos durante confraternização acaba preso em Peixoto

access_time09/05/2023 15:26

A Polícia Militar prendeu o acusado, de 22 anos, pelo crime de lesão corporal, durante festa na resi

Estudante é detido com facas e machadinha após ameaças no Nortão

Estudante é detido com facas e machadinha após ameaças no Nortão

access_time20/04/2023 10:30

A Polícia Civil confirmou a detenção de um adolescente, de 17 anos, ontem, pela Polícia Militar, por

TSE marca para 22 de junho julgamento que pode tornar Bolsonaro inelegível

TSE marca para 22 de junho julgamento que pode tornar Bolsonaro inelegível

access_time06/06/2023 06:53

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) marcou para o próximo dia 22 o julgamento que pode anular os dir

GAECO faz operação Pectina combatendo crimes ambientais; 10 investigados no Nortão

GAECO faz operação Pectina combatendo crimes ambientais; 10 investigados no Nortão

access_time25/09/2023 18:01

A Operação Pectina contra fraudes no uso de créditos florestais virtuais que beneficiaram empresas madeireiras no Estado foi desencadeada hoje com ordens cautelares de sequestro de bens móveis e de valores contra 10 pessoas físicas (dentre eles empresários) e jurídicas que atuam nos ramos madeireiro e de transporte de cargas de madeira. Só Notícias apurou que a maioria dos alvos da operação é de Itaúba (100 km de Sinop) e os demais mandados são de investigados em Sinop, Nova Monte Verde e Nova Mutum. A investigação é da Polícia Civil e coordenada pelo Grupo de Atuação contra o Crime Organizado (GAECO) e os mandados foram expedidos pela 7ª Vara Criminal Especializada contra o Crime Organizado, de Cuiabá. Não foram informadas as cidades onde a operação é feita.

A investigação apurou que o grupo envolvido na fraude ambiental utilizava créditos, criados virtualmente, para beneficiar empresas do ramo madeireiro e terceiros inserindo dados falsos nos sistemas de gestão do órgão ambiental. A delegada Alessandra Saturnino, designada pela Polícia Civil para a força-tarefa ambiental, informou que os valores apontados pelos danos em decorrência das operações ilegais ultrapassam a casa do bilhão. “Durante o trabalho investigativo, a soma de todos os laudos de dano revelou um valor que passa dos R$ 2,3 bilhões”, completou a delegada.

A investigação apontou que parte dos créditos circulou em nomes de pessoas físicas e jurídicas e geraram guias florestais falsas que foram utilizadas para acobertar a madeira extraída de forma ilegal. O esquema permitia a circulação de produtos florestais de origem ilícita e a lavagem dos valores correspondentes às mercadorias ilegais, ou seja, madeira extraída ilegalmente.

Em 2017, a Polícia Federal instaurou inquérito para apurar os crimes após a operação Floresta Virtual, realizada em conjunto com o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama). Posteriormente, a Justiça Federal declinou a competência para o judiciário Estadual e a investigação teve continuidade pela força-tarefa ambiental do GAECO. Os fatos apurados apontam que a organização criminosa agiu com a intenção de movimentar os créditos fraudados para dissimular a madeira extraída ilegalmente. Os participantes do esquema da ‘lavagem de madeira’ recebiam as guias para esquentar o produto florestal, retirado ilicitamente, em transações ocorridas apenas virtualmente, informa a Polícia Civil.

“Os denunciados uniram-se com o propósito de praticar condutas lesivas contra o meio ambiente, consistentes, em síntese, na constituição de organização criminosa que operacionalizou empreendimentos madeireiros constituídos formalmente. Ou seja, não possuíam estrutura física, nem funcionários compatíveis para a emissão de guias florestais ideologicamente falsos”, detalhou o promotor de Justiça, Marcelo Vacchiano, da força-tarefa ambiental do Gaeco.

O nome da operação faz referência à pectina, fibra solúvel que compõem o fruto da laranja.





Por: Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)

Outras notícias

Comentários