Kurupí
Notícias recentes
Por que a Amazônia é o pior lugar do Brasil para ser criança

Por que a Amazônia é o pior lugar do Brasil para ser criança

access_time05/11/2019 09:00

"Muita gente se importa com a Amazônia. O gringo se importa, o governo diz que se importa, mas será

Câmara aprova PL que impede STF de suspender lei em decisão individual

Câmara aprova PL que impede STF de suspender lei em decisão individual

access_time04/07/2018 08:47

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou nesta terça-feira (3) um projeto que im

Mulher é presa suspeita de matar marido, jogar corpo em rio e procurar a polícia para inventar latrocínio

Mulher é presa suspeita de matar marido, jogar corpo em rio e procurar a polícia para inventar latrocínio

access_time11/10/2018 11:10

Uma jovem de 23 anos foi presa nessa quarta-feira (10), no Distrito de Santiago do Norte, em Paranat

Ghosn é libertado em Tóquio e terá de cumprir exigências

Ghosn é libertado em Tóquio e terá de cumprir exigências

access_time06/03/2019 08:24

Após 108 dias preso em Tóquio (Japão), o executivo franco-brasileiro Carlos Ghosn, de 64 anos, foi libertado hoje (6) sob fiança de U$S 9 milhões (cerca de R$ 34 milhões) e uma série de exigências. O ex-presidente da Nissan Motor deixou a prisão usando uniforme, gorro azul e máscara.

Ghosn foi indiciado por suspeita de fraudes e violação de instrumentos legais da empresa. A pena foi agravada pela quebra de confiança por transferir inadequadamente os fundos da Nissan.

Em janeiro, o segundo pedido de liberdade, feito pela defesa de Ghosn, foi negado por um tribunal de Tóquio. Na ocasiã,o os advogados prometeram apelar.

Ontem (5), o Tribunal Distrital de Tóquio rejeitou os recursos da Promotoria contra a libertação de Ghosn e o pagamento de fiança. Foi seu terceiro pedido, mas primeiro com uma nova equipe jurídica que ele contratou no mês passado.

Pelos termos de fiança, Ghosn fica proibido de deixar o país e deve aderir às condições destinadas a impedi-lo de fugir ou destruir provas. Também precisa de aprovação do tribunal para participar de reuniões de diretoria na Nissan ou na Renault. Ele supervisionou a aliança entre as montadoras e a Mitsubishi Motors.

A Nissan e Mitsubishi retiraram Ghosn da presidência. A Renault o manteve na direção. Mas ele finalmente renunciou em janeiro.

*Com informações da NHK, emissora pública de televisão do Japão.





Por: Agência Brasil

Outras notícias

Comentários