Banner Outras
Notícias recentes
Homem é preso após matar a ex-namorada a facadas e ferir a irmã dela por não aceitar o fim do relacionamento em MT, diz PM

Homem é preso após matar a ex-namorada a facadas e ferir a irmã dela por não aceitar o fim do relacionamento em MT, diz PM

access_time01/07/2018 12:25

Uma mulher de 37 anos foi assassinada a facadas na noite desse sábado (30), em Tangará da Serra, a 2

Conselho inclui leilão do 5G em lista de concessões

Conselho inclui leilão do 5G em lista de concessões

access_time19/11/2019 21:54

O leilão do 5G teve o primeiro passo hoje (19) com a inclusão da concessão das frequências no Progra

EUA e China redefinem relação comercial com

EUA e China redefinem relação comercial com "Fase 1" de acordo

access_time15/01/2020 21:37

Os Estados Unidos e a China anunciaram nesta quarta-feira um acordo comercial inicial que irá reduzi

Governador de MT diz que precisa de um a dois anos para equilibrar contas do estado
Mauro Mendes (DEM) — Foto: Christiano Antonucci/Gcom-MT

Governador de MT diz que precisa de um a dois anos para equilibrar contas do estado

Mauro Mendes disse que ao assumir o Palácio Paiaguás, em janeiro deste ano, encontrou quase R$ 4 bilhões em dívidas deixadas, supostamente, pela antiga gestão

access_time25/01/2019 18:07

O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que precisa de um a dois anos para equilibrar as contas do estado.

Segundo ele, ao assumir o Palácio Paiaguás, em janeiro deste ano, encontrou quase R$ 4 bilhões em dívidas deixadas, supostamente, pela antiga gestão. Logo nos primeiros dias de gestão, o governador decretou estado de calamidade financeira.

A Assembleia Legislativa aprovou, nessa quinta-feira (24), um pacotão de projetos encaminhados por Mendes na tentativa de equacionar as contas públicas.

Mauro Mendes propôs, entre outras coisas, mudanças na concessão da Revisão Geral Anual (RGA) aos servidores estaduais e condicionou o pagamento da recomposição inflacionária à capacidade financeira do estado.

“Um caixa absolutamente estrangulado. Nós estamos contando os centavos para as despesas mínimas obrigatórias, essenciais, para não entrar em colapso a máquina pública. Nós vamos precisar de um a dois anos para colocar o estado em ordem e voltar a fazer gestão”, afirmou.

Durante toda a semana, houve protesto por parte dos servidores públicos contrários ao projeto que prevê o não pagamento da recomposição inflacionária. As manifestações na Assembleia Legislativa barraram as votações das propostas na data prevista, terça-feira (22), mas não impediu os deputados de votarem ainda durante esta semana. As medidas tramitaram em regime de urgência.

Segundo Mauro Mendes, o valor arrecadado em janeiro deste ano não é suficiente para quitar as dívidas.

“O que nós arrecadamos no mês de janeiro, se tivéssemos que pagar todas as despesas, ainda faltaria em torno de R$ 150 milhões para completar esses pagamentos”.

Por fim, ele pede a compreensão dos servidores.

“Eu espero que os servidores compreendam. Espero que eles possam ter a dimensão e a grandeza da importância que eles têm, mas também compreender que nós fazemos parte do serviço público”, disse Mauro Mendes.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários