Banner Outras
Notícias recentes
Pagamento do PIS/Pasep injeta R$ 258,1 milhões na economia de MT; prazo termina nesta sexta

Pagamento do PIS/Pasep injeta R$ 258,1 milhões na economia de MT; prazo termina nesta sexta

access_time28/06/2018 12:10

A liberação para saque do PIS/Pasep vai garantir uma injeção de R$ 258,1 milhões na economia de Mato

Homem é preso suspeito de comercializar drogas na frente do filho de 5 anos

Homem é preso suspeito de comercializar drogas na frente do filho de 5 anos

access_time28/09/2019 10:12

Um homem de 34 anos, cuja identidade não foi divulgada, foi preso, nessa sexta-feira (27), suspeito

Piloto suspeito de furtar e cair com aeronave de Matupá é preso

Piloto suspeito de furtar e cair com aeronave de Matupá é preso

access_time13/05/2020 16:47

Um dos pilotos envolvidos no furto de uma aeronave no aeroporto de Matupá, no dia 19 de abril, teve

Governo muda decreto e permite queimadas para agricultura fora da Amazônia
Paredão de fogo se estende por mais de 100 metros em área no interior do Acre — Foto: Reprodução

Governo muda decreto e permite queimadas para agricultura fora da Amazônia

Bolsonaro havia suspendido emprego do fogo em todo o Brasil por 60 dias em meio à crise ambiental, mas nova regra abre exceção. Fogo precisa ser controlado e autorizado por órgão ambiental

access_time31/08/2019 11:31

O governo federal alterou o decreto que proibia as queimadas em todo o país durante o período da seca e restringiu a proibição apenas à Amazônia Legal.

A região da Amazônia Legal compreende parte dos sete estados da região Norte (Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), além de Maranhão e Mato Grosso – áreas de outros biomas dentro desses estados poderão fazer as queimadas. Já o bioma Amazônia é mais extenso e abrange também terras de países vizinhos como Bolívia, Venezuela, Equador, Peru e Guianas.

A mudança consta de uma edição extra do "Diário Oficial da União" publicada na sexta-feira (30).

O decreto original, publicado na quinta (29), suspendia a permissão do emprego do fogo em todo o Brasil por um período de 60 dias com o objetivo de proteger o meio ambiente.

O novo decreto estabelece que a suspensão não se aplica a "práticas agrícolas, fora da Amazônia Legal, quando imprescindíveis à realização da operação de colheita".

O texto ressalta que a queimada controlada dependerá de autorização prévia de órgão ambiental estadual, que poderá negá-la se forem constatados risco de vida, danos ambientais ou condições meteorológicas desfavoráveis.

A autorização também deixará de ser concedida se a qualidade do ar atingir índices prejudiciais à saúde humana ou os níveis de fumaça, originados de queimadas, atingirem limites mínimos de visibilidade que comprometam as operações aeronáuticas e rodoviárias.

A autorização será ainda suspensa ou cancelada se for registrado risco de vida ou ambiental, no caso de segurança pública ou de descumprimento das normas vigentes.

A suspensão das queimadas, conforme a primeira versão do decreto, continua não sendo aplicada aos casos de controle fitossanitário autorizado por órgão ambiental, em práticas de prevenção e combate a incêndios e na agricultura de subsistência de indígenas.

Mapa mostra os limites do bioma amazônico no Brasil (verde), da região administrativa chamada Amazônia Legal (vermelho) e da Pan-Amazônia (amarelo) — Foto: Reprodução/Ipea/Exército Brasileiro
Mapa mostra os limites do bioma amazônico no Brasil (verde), da região administrativa chamada Amazônia Legal (vermelho) e da Pan-Amazônia (amarelo) — Foto: Reprodução/Ipea/Exército Brasileiro


Permissão
Hoje, a legislação permite as queimadas somente em situações específicas e desde que liberadas por órgão ambiental. O uso do fogo é empregado na produção e manejo de atividades agropastoris, mas tem que obedecer a uma série de regras, como respeitar áreas com limites físicos previamente definidos.

A proibição por 60 dias foi anunciada em meio à crise ambiental e diplomática provocada pela escalada do número de queimadas e do desmatamento na Amazônia.





Por: Por Vitor Sorano e Fernanda Calgaro, G1

Outras notícias

Comentários