Spigreen
Notícias recentes
Motorista que dirige na contramão tem mais culpa do que outro que bebeu, diz Tribunal de Justiça

Motorista que dirige na contramão tem mais culpa do que outro que bebeu, diz Tribunal de Justiça

access_time28/02/2020 06:31

Motorista que dirige na contramão, acima do limite de velocidade da rodovia e sem a devida atenção a

Prazo para pagamento de IPTU é estendido para 10 de maio em Matupá

Prazo para pagamento de IPTU é estendido para 10 de maio em Matupá

access_time18/04/2020 15:20

A Prefeitura de Matupá, prorrogou, na quinta-feira (16) o prazo de vencimento para o pagamento do Im

Caminhoneiro é encontrado morto dentro de caminhão

Caminhoneiro é encontrado morto dentro de caminhão

access_time25/06/2018 10:09

O corpo de um caminhoneiro foi encontrado no último domingo (24), no interior do caminhão em que ele

Governo muda decreto e permite queimadas para agricultura fora da Amazônia
Paredão de fogo se estende por mais de 100 metros em área no interior do Acre — Foto: Reprodução

Governo muda decreto e permite queimadas para agricultura fora da Amazônia

Bolsonaro havia suspendido emprego do fogo em todo o Brasil por 60 dias em meio à crise ambiental, mas nova regra abre exceção. Fogo precisa ser controlado e autorizado por órgão ambiental

access_time31/08/2019 11:31

O governo federal alterou o decreto que proibia as queimadas em todo o país durante o período da seca e restringiu a proibição apenas à Amazônia Legal.

A região da Amazônia Legal compreende parte dos sete estados da região Norte (Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), além de Maranhão e Mato Grosso – áreas de outros biomas dentro desses estados poderão fazer as queimadas. Já o bioma Amazônia é mais extenso e abrange também terras de países vizinhos como Bolívia, Venezuela, Equador, Peru e Guianas.

A mudança consta de uma edição extra do "Diário Oficial da União" publicada na sexta-feira (30).

O decreto original, publicado na quinta (29), suspendia a permissão do emprego do fogo em todo o Brasil por um período de 60 dias com o objetivo de proteger o meio ambiente.

O novo decreto estabelece que a suspensão não se aplica a "práticas agrícolas, fora da Amazônia Legal, quando imprescindíveis à realização da operação de colheita".

O texto ressalta que a queimada controlada dependerá de autorização prévia de órgão ambiental estadual, que poderá negá-la se forem constatados risco de vida, danos ambientais ou condições meteorológicas desfavoráveis.

A autorização também deixará de ser concedida se a qualidade do ar atingir índices prejudiciais à saúde humana ou os níveis de fumaça, originados de queimadas, atingirem limites mínimos de visibilidade que comprometam as operações aeronáuticas e rodoviárias.

A autorização será ainda suspensa ou cancelada se for registrado risco de vida ou ambiental, no caso de segurança pública ou de descumprimento das normas vigentes.

A suspensão das queimadas, conforme a primeira versão do decreto, continua não sendo aplicada aos casos de controle fitossanitário autorizado por órgão ambiental, em práticas de prevenção e combate a incêndios e na agricultura de subsistência de indígenas.

Mapa mostra os limites do bioma amazônico no Brasil (verde), da região administrativa chamada Amazônia Legal (vermelho) e da Pan-Amazônia (amarelo) — Foto: Reprodução/Ipea/Exército Brasileiro
Mapa mostra os limites do bioma amazônico no Brasil (verde), da região administrativa chamada Amazônia Legal (vermelho) e da Pan-Amazônia (amarelo) — Foto: Reprodução/Ipea/Exército Brasileiro


Permissão
Hoje, a legislação permite as queimadas somente em situações específicas e desde que liberadas por órgão ambiental. O uso do fogo é empregado na produção e manejo de atividades agropastoris, mas tem que obedecer a uma série de regras, como respeitar áreas com limites físicos previamente definidos.

A proibição por 60 dias foi anunciada em meio à crise ambiental e diplomática provocada pela escalada do número de queimadas e do desmatamento na Amazônia.





Por: Por Vitor Sorano e Fernanda Calgaro, G1

Outras notícias

Comentários