anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
FMI aprova revisão de acordo à Argentina e libera empréstimo de US$ 4,7 bilhões

FMI aprova revisão de acordo à Argentina e libera empréstimo de US$ 4,7 bilhões

access_time01/02/2024 14:45

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou um desembolso de US$ 4,7 bilhões para o governo do pre

Governo aumenta limite de isenção do IR em 2 salários mínimos

Governo aumenta limite de isenção do IR em 2 salários mínimos

access_time07/02/2024 06:59

O governo federal anunciou, na noite desta terça-feira (6), o aumento na faixa de isenção do Imposto

NOTA DE FALECIMENTO

NOTA DE FALECIMENTO

access_time20/03/2023 09:24

Comunicamos com pesar o falecimento de JOELMA NUNES VIEIRA, ocorrido na segunda-feira, 20 de março d

Governo registra déficit de R$ 7 bilhões em março
Segundo dados divulgados pelo Tesouro Nacional, o resultado ficou negativo em R$ 7 bilhões | Foto: Foto: Joédson Alves/ Agência Brasil

Governo registra déficit de R$ 7 bilhões em março

Resultado negativo é de R$ 7 bilhões

access_time28/04/2023 10:03

O Governo Central, que inclui Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, registrou o maior déficit primário para meses de março em três anos. Segundo dados divulgados pelo Tesouro Nacional, o resultado ficou negativo em R$ 7 bilhões, valor 10,4% maior que o déficit de R$ 6,4 bilhões obtido em março de 2022.

Descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o déficit é 5,5% maior que o do ano passado, tanto em valores nominais como reais. O resultado de março foi o pior para o mês desde março de 2020, quando houve déficit primário de R$ 21 bilhões, depois do início da pandemia da covid-19.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano estabelece a meta de déficit primário de R$ 231,5 bilhões para o Governo Central. A previsão oficial de déficit primário para este ano, segundo a Secretaria de Política Econômica, está em R$ 99 bilhões.

As receitas líquidas cresceram 3,4% em relação a março do ano passado em valores nominais, enquanto as despesas totais subiram 3,7% em valores nominais.

Descontada a inflação pelo IPCA, houve queda de 1,2% nas receitas e de 0,9% nas despesas. As receitas administradas, relativas ao pagamento de tributos, tiveram queda de 6,2% em março em relação ao mesmo mês de 2022, também já descontada a inflação.

A maior queda foi no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de 23,7%, seguido pela Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) de 24,4%. Ambos foram motivados por desonerações concedidas pelo governo Bolsonaro.

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, diz que a Shein vai nacionalizar as vendas no Brasil | Foto José Cruz/Agência Brasil





Por: Redação Oeste

Outras notícias

Comentários