Camara Peixoto
Notícias recentes
Centenas de moradores foram atendidos pelo mutirão SUAS NA COMUNIDADE

Centenas de moradores foram atendidos pelo mutirão SUAS NA COMUNIDADE

access_time08/05/2018 22:54

Evento aconteceu no sábado (28), na Escola São Pedro no Bairro Mãe de Deus e foi organizado pela Sec

Polícia faz operação ‘terra à vista’ para prender 128

Polícia faz operação ‘terra à vista’ para prender 128

access_time13/03/2019 08:04

A Polícia Civil está fazendo neste momento a operação terra à vista para combater fraudes ambientais

Em 24 horas, MT confirma mais de 1,5 mil casos de Covid e 34 óbitos

Em 24 horas, MT confirma mais de 1,5 mil casos de Covid e 34 óbitos

access_time08/05/2021 05:18

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta sexta-feira (7), 371.781 casos

Grande minerador de Mato Grosso defende ampliar benefícios fiscais

Grande minerador de Mato Grosso defende ampliar benefícios fiscais

access_time15/07/2021 13:36

O empresário do ramo da mineração Valdiney Mauro de Sousa defendeu a ampliação de benefícios fiscais para o setor de mineração em Mato Grosso. O gestor, que é considerado um dos maiores exportadores de ouro do Estado, foi ouvido pela CPI da Sonegação Fiscal na segunda-feira (14).

Valdiney disse que o benefício atrairia novos investidores para o Estado. A ideia, contudo, vai na contramão do que defende o próprio governo, que desde o início da gestão vem realizando o corte de incentivos para acabar com a "mamata" de diversos setores.

"O Estado tem que incentivar as grandes mineradoras virem pra cá e começa pelo incentivo fiscal. O grande atrativo é a facilidade. Por exemplo: vem uma empresa canadense no Pará, o cara investiu 100 milhões de dólares e com 5, 6 anos não sai a licença ambiental. O que um cara desse faz? Ele vai embora porque é muita burocracia", expressou.

No depoimento que durou cerca de 40 minutos, Valdiney criticou a burocracia da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) para liberar as licença ambientais para a exploração e também os garimpeiros que atuam de forma ilegal.

"Temos que tirar o garimpeiro para virar minerador, tem que ser criado uma mine-mineração. A partir do momento que ele virar uma portaria de lavra, ele vai pagar um pouco mais de imposto e o grande investidor vai ter o interesse de vir conhecer. Quando a gente fala garimpeiro por aí todo mundo leva susto e imagina que é um cara com picareta na cabeça e mercúrio", disse.

Ao final da oitiva, o presidente da CPI deputado Wilson Santos (PSDB) afirmou que o empresário admitiu que o setor possui "grandes sonegadores" e propôs uma nova política de impostos ao setor.

"O Valdiney Sousa é um dos maiores empresários do Estado e admitiu que existe sonegação no setor. Ele também falou que a burocratização da Sema só atrapalha a atração de novos investidores nacionais e internacional. Ele defendeu a flexibilização do licenciamento ambiental e está aberto a uma nova taxação no setor tendo em vista que o ouro paga 2,5% quando fica em território nacional", colocou.

Ainda de acordo com o tucano, a CPI caminha para a última etapa, onde vai investigar o setor dos frigoríficos e do agronegócio. Os documentos e relatórios de todas as oitivas serão encaminhadas para o relator da comissão deputado Nininho (PSD).

A expectativa é que o relatório final seja apresentado em novembro. "Vamos concluir os trabalhos e apresentar para a sociedade estadual. Depois disso, vamos sugerir a essa Casa de Leis as medidas para reduzir a sonegação fiscal em Mato Grosso", concluiu.

A CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal foi instalada no dia 12 de março de 2019, para investigar indícios de sonegação de impostos e renúncias fiscais indevidas em Mato Grosso. Contudo, os trabalhos foram suspensos em virtude dos problemas sanitários ocasionados pela pandemia do novo coronavírus.

CPI da Sonegação
A Comissão é subdividida em cinco sub-relatorias, de mineração, agronegócio, combustíveis, frigoríficos e incentivos fiscais.

Em 2019, o então vice-presidente da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal, deputado Carlos Avallone (PSDB), apresentou o relatório da sub-relatoria do setor de combustíveis.

Esse relatório apontou que, em 2018, o Brasil deixou de arrecadar R$ 626,8 bilhões (7,7% do PIB nacional). No mesmo ano, em Mato Grosso, o estado deixou de arrecadar cerca de R$ 1,9 bilhão por causa da sonegação, que corresponde a 1,5% do PIB estadual.





Por: Allan Mesquita da Gazetadigital.com.br

Outras notícias

Comentários