anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Prefeita no Nortão que ‘não compactua com ideologia de’ Lula deve renunciar nesta 3ª, diz presidente de câmara

Prefeita no Nortão que ‘não compactua com ideologia de’ Lula deve renunciar nesta 3ª, diz presidente de câmara

access_time03/01/2023 05:34

A prefeita de Carlinda, Carmelinda Leal Coelho (União Brasil) deve renunciar oficialmente ao cargo,

Marco Temporal é aprovado na Câmara Federal; apenas um deputado de MT votou contra

Marco Temporal é aprovado na Câmara Federal; apenas um deputado de MT votou contra

access_time31/05/2023 09:20

A Câmara dos Deputados aprovou na noite dessa terça-feira (30) o projeto do Marco Temporal, que esta

Lula recebe visita de Zanin, favorito para o STF

Lula recebe visita de Zanin, favorito para o STF

access_time01/06/2023 08:26

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu na noite de quarta-feira 31, no Palácio do Planalto

‘Greve ilegal, abusiva e claramente política’, afirma Tarcísio sobre paralisação do Metrô, CPTM e Sabesp
Governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) em seu primeiro pronunciamento após a greve (foto: Reprodução/Jovem Pan News)

‘Greve ilegal, abusiva e claramente política’, afirma Tarcísio sobre paralisação do Metrô, CPTM e Sabesp

Governador de São Paulo aponta que sindicato descumpriu a ordem judicial de não interromper as operações nos horários de pico e critica prejuízo gerado à população

access_time03/10/2023 09:16

O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) veio a público na manhã desta terça-feira, 3, para dar seu primeiro pronunciamento oficial a respeito da greve unificada do Metrô, da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e da Sabesp (Companhia Paulista de Saneamento Básico do Estado de São Paulo). O mandatário voltou a dizer que a paralisação é ilegal e também afirmou que o movimento descumpriu a ordem judicial de não paralisar nos horários de pico: “Infelizmente aquilo que a gente esperava está se concretizando. Temos a greve do Metrô, CPTM e Sabesp. Uma greve ilegal, uma greve abusiva, uma greve claramente política e uma greve que tem por objetivo a defesa de um interesse muito coorporativo. Quem está em greve está se esquecendo do mais importante, que é o cidadão”. A Justiça de São Paulo decretou que o funcionamento das linhas seria mantido, com 100% do efetivo, nos horários de pico (das 4h às 10h e das 16h às 21h) e com 80% do efetivo nos demais horários. O descumprimento desta determinação pode render aos sindicatos multas diárias de até R$ 500 mil.

“A Justiça foi ignorada, ou seja, essa turma não está respeitando sequer o Judiciário”, criticou o governador. As categorias são contra a privatização das três empresas públicas por parte do governo estadual e afirmam que transferir as operações ao setor privado vai piorar a qualidade do serviço. Além disso, as categorias cobram a realização de um plebiscito oficial envolvendo toda a população do Estado para consultar sobre as concessões. “Estão entrando em greve porque são contra a desestatização, contra a concessão de linhas. E quais as linhas que estão disponíveis hoje e funcionando hoje? A Linha-4, que é concedida, a Linha-5, que é concedida, a Linha-8 que é concedida e a Linha-9, que é concedida”, provocou Tarcísio.

O governador destacou que a discordância dos sindicatos não pode privar o cidadão do “seu direito de ir e vir”, que o momento para contestação das desestatizações seria durante as audiências públicas do processo e afirmou que a pauta do movimento seria “corporativista”. A Justiça também proibiu a liberação das catracas nas linhas que estão operando por “altos riscos de tumultos e possíveis acidentes nas estações”, medida que foi elogiada pelo governador: “A Justiça proibiu a liberação das catracas atuando com muita responsabilidade. Liberar a catraca é colocar o cidadão em risco, é perder o controle do cidadão na plataforma e, no final das contas, prejudicar o cidadão”. Tarcísio também falou sobre esta ser a quarta tentativa de greve das estatais paulistas só em 2023.

“É a quarta tentativa de greve e a segunda efetivada, em um período curto. Claramente há uma motivação política (…) A gente daqui a pouco vai encerrar uma greve em outubro, e eles vão planejar a greve de novembro, de dezembro, de janeiro e depois vai vir a greve de março. Qual o limite disso? Qual o limite de tantos movimentos? Se isso não é abuso do direito de greve, sinceramente eu não sei o que é (…) Não podemos estudar se é mais vantajoso para o cidadão ter linhas concedidas? Será que não é razoável estudar se é mais vantajoso ter investimento privado?”, declarou. Confira o pronunciamento completo no vídeo abaixo.

De acordo com o site do Metrô, que atualiza a situação das linhas nas primeiras horas desta terça, a paralisação afeta as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata. Por outro lado, as linhas 4-Amarela e 5-Lilás operam normalmente. Já na CPTM as linhas paralisadas são: 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade, conforme aponta a última atualização da companhia, feita às 5 horas. Duas linhas da CPTM operam parcialmente. A linha 11 – Coral funciona apenas entre as estações Luz e Guaianases. Na Linha 7-Rubi, a circulação dos trens vai de Caieiras até Luz. As linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda, operadas pela Via Mobilidade, funcionam normalmente.





Por: Jovem Pan

Outras notícias

Comentários