Banner Outras
Notícias recentes
Pai e filho morrem afogados em Peixoto de Azevedo

Pai e filho morrem afogados em Peixoto de Azevedo

access_time30/07/2018 12:44

Fato ocorreu no domingo (29), por volta das 16h. Família foi até as margens do rio para pescar, toma

Polícia investiga homem que apresentou diploma falso ao tentar fazer registro de médico em MT

Polícia investiga homem que apresentou diploma falso ao tentar fazer registro de médico em MT

access_time04/06/2018 23:12

Um homem de 32 ano, foi conduzido à delegacia da Polícia Federal nesta segunda-feira (4), após apres

Audiência pública para discutir concessão do maior aeroporto de MT deve ser realizada na terça (19)

Audiência pública para discutir concessão do maior aeroporto de MT deve ser realizada na terça (19)

access_time18/06/2018 07:35

Uma audiência pública para discutir a concessão à iniciativa privada do Aeroporto Marechal Rondon, e

Há vínculo empregatício entre Uber e motorista, decide corte francesa
Corte francesa reconheceu vínculo trabalhista entre motorista e Uber

Há vínculo empregatício entre Uber e motorista, decide corte francesa

access_time05/03/2020 21:39

Ao se conectar à plataforma digital Uber, fica estabelecida uma relação de subordinação entre o motorista e a empresa. Assim, o condutor do automóvel não presta serviços como autônomo, mas como funcionário.

Foi com base nesse entendimento que a Cour de Cassation, órgão de cúpula da Justiça Comum francesa — tribunal que seria equivalente ao STJ —, reconheceu a existência de vínculo empregatício entre a Uber e um motorista. 

Segundo a decisão, o condutor não pode ser considerado autônomo, já que não cabe a ele construir a própria clientela ou definir os preços das corridas. Isso, diz a corte, gera uma relação de subordinação entre as partes. 

"A decisão não reflete as razões pelas quais os motoristas escolhem usar a Uber: independência e a liberdade de trabalhar se, quando e onde quiserem", disse a empresa em nota, segundo a agência Reuters. 

Ainda segundo a companhia, "nos últimos dois anos, fizemos muitas mudanças para dar aos motoristas ainda mais controle sobre como eles usam a Uber, além de proteções sociais mais fortes".

TST
O tema é controverso no Brasil. No início de fevereiro, a 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou o reconhecimento do vínculo. Na ocasião, a corte entendeu que o aplicativo de transporte presta serviço de intermediação e, por isso, o motorista que usa a plataforma não tem relação trabalhista. 

A discussão sobre o reconhecimento ou não do vínculo já gerou uma série de decisões díspares nas instâncias inferiores. O TRT-2, que atua em São Paulo, decidiu não reconhecer o vínculo. Da mesma forma, o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas-SP) entendeu que motorista de aplicativo não tem vínculo de emprego.

Em Minas Gerais, o juiz Márcio Toledo Gonçalves, da 33ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, aprofundou-se em conceitos sociológicos, históricos e legais para decidir que há vínculo de emprego nesses casos. A empresa foi condenada a pagar férias, 13º, horas extra e adicional noturno. O juiz cunhou o termo "uberização" como um conceito de relação danosa ao trabalhador.

Quando o caso subiu de instância, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região reformou a decisão e não reconheceu o vínculo. Para a relatora, desembargadora Maria Stela Álvares da Silva Campos, a impessoalidade na relação entre motorista e Uber fica clara pelo fato de que outra pessoa pode dirigir o mesmo carro, sendo que basta um cadastro no aplicativo para isso.





Por: Revista Consultor Jurídico

Outras notícias

Comentários