ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Polícia prende dois e recupera caminhonete roubada no Nortão

Polícia prende dois e recupera caminhonete roubada no Nortão

access_time04/08/2022 06:43

A Polícia Militar conseguiu prender ainda ontem dois suspeitos de roubar uma caminhonete Toyota Hilu

Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro

Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro

access_time22/01/2020 10:36

A confiança dos empresários da indústria cresceu 1,1 ponto na prévia de janeiro deste ano, na compar

Homem é morto a tiros ao sair de casa em Peixoto de Azevedo

Homem é morto a tiros ao sair de casa em Peixoto de Azevedo

access_time09/10/2018 09:29

A Polícia Militar atende o homicídio nesta manhã de terça-feira, onde isolou para as investigações.

Homem é condenado por ofensas raciais no WhatsApp

Homem é condenado por ofensas raciais no WhatsApp

access_time28/02/2020 08:59

O juízo da 5ª vara Cível de Santos/SP condenou homem que proferiu insultos a respeito do caráter e da condição social de pessoas pardas a pagar indenização por danos morais ao Fundo de Reparação de Interesses Difusos Lesados.

Segundo consta nos áudios, o homem enviou áudio em grupo particular do WhatsApp, em que proferia ofensas de cunho racial às pessoas pardas, afirmando que elas não têm caráter. Um ano depois, o áudio viralizou e ele foi exonerado da função pública que exercia e se desfiliou de partido político.

Segundo o juiz de Direito José Wilson Gonçalves, “posto que seja em grupo de WhatsApp, não se admite que alguém diga que os pardos brasileiros são todos maus-caracteres”. 

O magistrado entendeu que a alegação de ausência de intenção de atingir os pardos brasileiros não procede, visto que o homem “sabe perfeitamente o significativo e o alcance das expressões usadas, ainda que esse uso tenha se dado em ambiente fechado de rede social, não tendo relevância, ademais, a crença, mesmo que verdadeira, de que o conteúdo não seria compartilhado. O compartilhamento apenas tornou conhecida publicamente a gravíssima ilicitude cometida por ele”.

Assim, o condenou ao pagamento de danos morais no valor de R$ 10 mil. O valor será revertido especificamente para programas de combate ao racismo.

Informações: TJ/SP.





Por: Migalhas

Outras notícias

Comentários