anuncie aqui
Notícias recentes
Atletas do Tênis de Mesa de Peixoto de Azevedo fazem bonito em Matupá

Atletas do Tênis de Mesa de Peixoto de Azevedo fazem bonito em Matupá

access_time06/12/2018 09:13

A equipe de Tênis de mesa de Peixoto de Azevedo esteve participando do Campeonato Regional em Matupá

CR7 insinua possível saída:

CR7 insinua possível saída: "Foi muito lindo estar no Real Madrid"

access_time26/05/2018 19:17

Cristiano Ronaldo insinuou neste sábado após a conquista de mais um título da Liga dos Campeões, a q

Por greve dos caminhoneiros, MT tem fila em postos de combustíveis e suspensão de coleta de lixo e transporte escolar

Por greve dos caminhoneiros, MT tem fila em postos de combustíveis e suspensão de coleta de lixo e transporte escolar

access_time23/05/2018 16:14

A greve dos caminhoneiros e a previsão de acabar o estoque de combustíveis nos postos afetaram vário

Índios cultivam soja sem agrotóxico em 2,2 mil hectares de lavoura em MT
Indígenas estão terminando a colheita — Foto: TVCA/ Reprodução

Índios cultivam soja sem agrotóxico em 2,2 mil hectares de lavoura em MT

Agricultura em terras indígenas é desenvolvida há 15 anos e mais de 17 mil hectares são destinados ao plantio de grãos na região

access_time12/02/2019 08:49

Os índios das etnias Manoki, Nambiquara e Paresi realizam a colheita de 2,2 mil hectares de soja convencional, em Campo Novo do Parecis, a 397 km de Cuiabá. Eles desenvolvem a agricultura nas terras indígenas há 15 anos e mais de 17 mil hectares são destinados ao plantio de grãos.

De acordo com o presidente da cooperativa indígena, Ronaldo Zokezomaiake, 95% do tratamento dos grãos são feitos sem o uso de agrotóxicos. “Realizamos o tratamento biológico para tentar erradicar a questão química, pois temos cuidado com as questões ambientais”, pontuou.

A mão de obra é dos próprios índios que trabalham na terra para garantir o sustento da família. “Fico muito orgulho de nós índios conseguirmos trabalhar dentro da própria terra”, ressaltou o encarregado da área, Jucinei Ozoizaece.

Para o operador de máquina Cleomar Azonazokae, de 23 anos, o trabalho que eles realizam na região é importante, pois não precisam buscar trabalhos fora de suas terras.

“É um prazer enorme de poder trabalhar com as máquinas e mostrar para o nosso povo do que somos capazes”, disse.

A venda
Os grãos colhidos na região são destinados às multinacionais para que seja realizado a exportação do produto.

No entanto, os índios não conseguem fazer a venda direta, pois não possuem o licenciamento ambiental nas áreas de cultivo. Com isso, eles realizaram uma parceria com os fornecedores de insumos, que passaram a ser os responsáveis pela negociação.

Os índios compram os insumos, fornecem o maquinário e a mão de obra e, em troca, recebem o valor total do lucro. A cada saca de 60 kg, eles recebem R$ 63. Para os produtores, esse valor poderia ser maior se eles tivessem autonomia para explorar as próprias terras.

“É necessário um licenciamento. Estamos tentando resolver junto aos órgãos do governo e logo poderemos ter a origem do nosso produto e comercializar direto com os armazéns”, explicou o presidente.





Por: Eduardo Kotaki, TV Centro América

Outras notícias

Comentários