anuncie aqui
Notícias recentes
Novo governo do México decide apoiar plano de Trump para mudar política de fronteira, diz jornal

Novo governo do México decide apoiar plano de Trump para mudar política de fronteira, diz jornal

access_time24/11/2018 18:03

O futuro governo do México concordou em apoiar o plano do governo do presidente dos Estados Unidos,

Bairros Alvorada e Liberdade estão sendo preparados para receber pavimentação

Bairros Alvorada e Liberdade estão sendo preparados para receber pavimentação

access_time31/07/2018 18:08

Mais dois bairros no município de Peixoto de Azevedo estão recebendo trabalhos de base para posterio

Piloto que sobreviveu após queda de avião passa por cirurgia plástica no corpo, rosto e mãos

Piloto que sobreviveu após queda de avião passa por cirurgia plástica no corpo, rosto e mãos

access_time11/11/2018 09:54

O piloto paranaense Maicon Semencio Esteves, de 27 anos, que sobreviveu após uma queda de avião e fo

Interiorização de imigrantes venezuelanos será permanente, diz Padilha
Ministros do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame; da Casa Civil, Eliseu Padilha; e dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, recebem 50 migrantes venezuelanos em Brasília. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência)

Interiorização de imigrantes venezuelanos será permanente, diz Padilha

Ministro recebeu grupo vindo de Roraima para se instalar em Brasília

access_time25/07/2018 07:35

Após receber na organização Aldeias Infantis SOS de Brasília os 50 venezuelanos que haviam saído de Boa Vista na manhã de hoje (24), o ministro-chefe da Casa Civil da Presidência, Eliseu Padilha, informou que o processo de interiorização da população venezuelana será permanente.

“A interiorização é permanente porque temos uma entrada permanente em Roraima. Temos que interiorizar, caso contrário Roraima não consegue suportar toda a população venezuelana que está adentrando Roraima”, disse Padilha, ao lado dos ministros dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, e do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.

Ainda segundo Padilha, os abrigos em Roraima têm capacidade para 6 mil pessoas e o governo quer manter este número de abrigados. “Portanto, nós teremos que fazer a interiorização do que exceder 6 mil”, acrescentou.

Integração dos imigrantes
O ministro da Casa Civil informou que, em média, cerca de 30% dos migrantes venezuelanos que foram interiorizados anteriormente “já se integraram, já buscaram uma atividade produtiva, estão trabalhando e produzindo para sua família e deixaram de depender do processo de abrigamento”.

Padilha acrescentou que o governo não tem um programa de emprego especifico para a população venezuelana, mas, para o ministro, o fato de muitos terem formação superior pode facilitar a inserção no mercado de trabalho.

Entre abril e julho deste ano, o processo de interiorização dos migrantes que pediram refúgio ou residência no Brasil envolveu 690 venezuelanos que foram retirados de Roraima, por onde a maioria entra no país. A maioria (267) foi para São Paulo, mais 165 para Manaus, 95 para Cuiabá, 69 para Igarassu (PE), 44 para Conde (PB) e 50 para o Rio de Janeiro. O acolhimento depende do interesse das cidades de destino em participar do processo e da existência de vagas em abrigos.

Segundo a Casa Civil, no final de junho, havia 56.740 venezuelanos em Roraima, entre residentes e solicitantes de refúgio.

Nova etapa de interiorização
Em nova etapa do processo de interiorização, 130 venezuelanos foram transferidos nesta terça-feira de Boa Vista para outras quatro capitais. Além de Brasília, eles foram levados para abrigos em Cuiabá (24 venezuelanos), São Paulo (20) e Rio de Janeiro (36). Anteriormente, o governo havia divulgado que seriam 131 venezuelanos, mas um não embarcou para São Paulo.

Segundo a Casa Civil, todos os selecionados aceitaram participar da interiorização, foram vacinados, submetidos a exame de saúde e regularizados no Brasil – inclusive com CPF e carteira de trabalho.

Esta é a primeira vez que Brasília recebe os venezuelanos que deixaram seu país de origem motivados pela insegurança política, estado de violência ou pela crise econômica. Na capital, dos 50 migrantes acolhidos na Aldeias Infantis SOS, 20 são crianças, sendo sete bebês de colo.





Por: Agência Brasil

Outras notícias

Comentários