anuncie aqui
Notícias recentes
Futsal feminino de Peixoto está na final da Copa Centro América

Futsal feminino de Peixoto está na final da Copa Centro América

access_time26/06/2018 07:58

A equipe feminina de Peixoto de Azevedo se classificou para final da Copa Centro América de Futsal a

‘Só não vamos fazer pacto com o diabo’, afirma Bolsonaro

‘Só não vamos fazer pacto com o diabo’, afirma Bolsonaro

access_time13/07/2018 09:05

Apesar de o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, manter o discurso contra “políticos tradicionais”

Comunicado final do G7 tem acordo para redução de tarifas no comércio mundial

Comunicado final do G7 tem acordo para redução de tarifas no comércio mundial

access_time09/06/2018 18:11

Os países do G7 chegaram a um acordo neste sábado (9) sobre o comunicado final da cúpula, que fala s

Japão recorda 73 anos do bombardeio nuclear de Hiroshima

Japão recorda 73 anos do bombardeio nuclear de Hiroshima

Lançada em 6 de agosto de 1945, 'Little Boy' causou a morte de 140 mil pessoas no próprio dia e nas semanas seguintes; três dias depois, outra bomba atômica atingiu Nagasaki

access_time07/08/2018 08:33

Uma sirene foi ouvida nesta segunda-feira (6) em Hiroshima, 73 anos depois do primeiro bombardeio nuclear da história, em uma cerimônia marcada pela advertência do prefeito da cidade sobre a volta do nacionalismo no mundo.

No dia 6 de agosto de 1945, às 8h15 locais, o bombardeiro B-29 americano "Enola Gay" lançou sobre a cidade a bomba atômica chamada de "Little Boy", o que provocou no próprio dia e nas semanas seguintes a morte de 140 mil pessoas.

"Se a humanidade esquecer a história ou deixar de confrontar-se com ela, poderíamos voltar a cometer um erro terrível. Por isto devemos continuar falando de Hiroshima", declarou o prefeito Zaumi Matsui.

"Os esforços para eliminar as armas nucleares devem continuar. Alguns países se mostram abertamente nacionalistas e modernizam seu arsenal nuclear, avivando tensões que foram mitigadas com o fim da Guerra Fria", completou.

O primeiro-ministro Shinzo Abe usou um tom menos categórico, em um discurso que voltou a deixar evidente as contradições japonesas sobre a questão das armas nucleares.

No ano passado, o Japão decidiu não assinar um tratado para proibir as armas atômicas, adotado na ONU, concordando assim com as potências nucleares que mencionam a ameaça norte-coreana para denunciar a ingenuidade do texto.

"Nos últimos anos ficou claro que existem divergências entre países sobre as formas de reduzir as armas nucleares", declarou Abe.

"Nosso país quer atuar com paciência para servir de ponte entre as duas partes e liderar os esforços da comunidade internacional para a desnuclearização", completou.

Três dias depois da destruição de Hiroshima, uma segunda bomba atômica - "Fat Man" - atingiu a cidade de Nagasaki. Em 15 de agosto de 1945, o Japão anunciou sua rendição, o que abriu o caminho para o fim da Segunda Guerra Mundial.





Por: France Presse

Comentários