anuncie aqui
Notícias recentes
O enigma dos tubarões que apareceram sem seus fígados, extraídos com 'precisão quase cirúrgica'

O enigma dos tubarões que apareceram sem seus fígados, extraídos com 'precisão quase cirúrgica'

access_time07/08/2018 08:21

Quando as carcaças de cinco tubarões brancos (Carcharodon carcharias) apareceram em uma praia na Áfr

Hoje continua programação do 2º Torneio Futebol - 7

Hoje continua programação do 2º Torneio Futebol - 7

access_time01/07/2018 08:32

Abertura do 2º Torneio de Futebol - 7 foi realizada na noite de sábado (30), no campo de futebol do

Ministros apontam dificuldade em localizar crianças em abrigos nos EUA

Ministros apontam dificuldade em localizar crianças em abrigos nos EUA

access_time07/07/2018 11:20

Após dois dias de visitas a abrigos nos Estados Unidos e conversas com cônsules, os ministros Aloysi

Juíza do DF torna Geddel Vieira Lima réu por improbidade administrativa

Juíza do DF torna Geddel Vieira Lima réu por improbidade administrativa

Geddel foi acusado por ex-ministro Calero de pressioná-lo a liberar obra em Salvador embargada por órgão do Ministério da Cultura. Episódio, em 2016, levou os dois a pedirem demissão

access_time10/07/2018 08:32

A juíza Diana Wanderlei, da 5ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal, tornou nesta segunda-feira (9) o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) réu por improbidade administrativa.

Com a decisão, será iniciada a fase de coleta de provas e, ao final, a juíza decidirá se o ex-ministro deve ser considerado culpado ou inocente da acusação.

Em 2016, o então ministro da Cultura, Marcelo Calero, acusou Geddel de pressioná-lo a liberar uma obra em Salvador (BA) embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão vinculado ao Ministério da Cultura.

Na ocasião, Calero pediu demissão, e a polêmica em torno do assunto também levou Geddel a deixar o cargo.

À época, diante da denúncia de Calero, a Comissão de Ética da Presidência abriu um processo para apurar a conduta de Geddel e decidiu aplicar "censura pública" ao ex-ministro da Secretaria de Governo – esta é a punição máxima a um ex-servidor e funciona como mancha no currículo.

A ação analisada
A ação analisada pela Justiça do Distrito Federal foi apresentada pelo Ministério Público. Para o órgão, houve pressão por parte de Geddel sobre Calero para que o Iphan liberasse a obra em Salvador.

De acordo com o MP, Geddel comproum um apartamento em um prédio cujo projeto inicial não havia sido aprovado por extrapolar a altura permitida.

À Justiça, o Ministério Público argumentou que Geddel fez diversos contatos (telefônicos e pessoais), ameaçando "pedir a cabeça" do presidente do Iphan.

O que diz a defesa
No processo, a defesa de Geddel negou irregularidades por parte do ex-ministro e mencionou pareceres segundo os quais não havia indicação contrária à construção do prédio na Bahia.

Os advogados afirmaram, ainda, que Geddel não influenciou politicamente a decisão dos órgãos competentes, acrescentando que não existem detalhes sobre as supostas "investidas indevidas".

Decisão da juíza
Ao analisar o caso, a juíza Diana Wanderlei entendeu que os argumentos da defesa não conseguiram contrapor, "de forma plena e convincente", os indícios apontados pelo Ministério Publico Federal.

"O argumento de ausência de irregularidade na construção do prédio e o de comprovação de intervenções políticas indevidas, sobretudo diante dos documentos e depoimentos colhidos, somente poderão ser avaliados com o conjunto completo fático-probatório, a ser obtido no decorrer do processo", afirmou a juíza.

Temer
À Polícia Federal, Marcelo Calero afirmou que foi "enquadrado" pelo presidente Michel Temer e se sentiu pressionado a "construir uma saída" para o pedido de Geddel.

A conversa com Temer, segundo Calero, foi gravada. Em resposta, a Presidência afirmou que Temer havia procurado Calero "para resolver o impasse".





Por: TV Globo, Brasília

Outras notícias

Comentários